Siga-nos

História

Zona Sul tem roteiro modernista

Publicado

em

Em fevereiro de 1922, um grupo de arti8stas e intelectuais revolucionava a forma de fazer, pensar e exibir arte no Brasil, usando a capital paulsita como seu principal cenário.

Embora o distanciamento histórico e a evolução do debate apontem que o movimento tenha sido restrito a uma elite da época, não se pode questionar sua importância e as heranças que deixou – até mesmo para aqueles que tecem críticas a ela.

Embora suas origens estejam na literatura e na arte, o modernismo criou um ambiente de renovação e de mudança, uma atitude nova diante do mundo e do conhecimento. Isso impactou enormemente o ensino e a pesquisa, sobretudo na área de Humanidades, mas extrapolou em muito esse domínio.

A avaliação foi feita esta semana pelo presidente da FAPESP, Marco Antonio Zago.

“A própria criação da Universidade de São Paulo [USP, em 1934] e, por consequência, da FAPESP [em 1962], 40 anos depois da Semana de 22, fazem parte dessa nova atitude diante do mundo”, disse Zago.

O fato é que São Paulo, nessa época, tinha menos de 600 mil habitantes! Isso mesmo, menos de 5% da população atual.

A cidade era muito diferente do que conhecemos hoje, não só pela falta de vias asfaltadas e carros, mas porque o que chamamos de centro antigo hoje. Os demais bairros da capital tinham características rurais – pequenos sítios e casas esparsas.

Não existia o Ibirapuera, que seria criado só na década de 1950. A Vila Mariana acabara de se livrar de um matadouro de animais que fornecia carne para seus moradores – o prédio resiste até hoje: é a sede atual da Cinemateca, no Largo Senador Raul Cardoso.

O Jabaquara? Nem fazia parte da cidade – mas sim do município vizinho de Santo Amaro. Ali, na divisa, onde hoje existem os bairros de Vila Guarani, Conceição e Cidade Vargas, havia o Parque Jabaquara.

Cenário posto, fica fácil entender porque a maioria dos roteiros culturais que se refere ao evento restringe-se ao Centro. Afinal, foi ali que a programação cultural se desenrolou, especialmente dentro do Teatro Municipal.

Mas, vale destacar que a Vila Mariana é um dos bairros que mais ficou marcado pela presença dos modernistas durante a década de 1920.

Saiba por quê:

Casa Modernista

O bairro da Vila Mariana foi o escolhido pelo arquiteto russo Gregori Warchavchik para desenvolver o projeto da residência de sua família.

Recém casado com Mina Klabin, filha de um grande industrial da elite paulistana, ele desenvolve seu projeto em terreno próximo à casa de Lasar Segall, casado com a irmã de Mina, Jenny.  Ali, na rua Santa Cruz, é erguida, então, a casa que seria considerada a primeira obra de arquitetura moderna implantada no Brasil.

A casa gerou forte impacto nos círculos intelectuais e na opinião pública em geral, com a publicação de artigos em jornais dos mais diversos espectros políticos, favoráveis ou contrários à nova orientação estética proposta. Destituída de qualquer ornamentação e formada por volumes prismáticos brancos, a obra era tão impactante para a época que, para conseguir obter aprovação junto à prefeitura, o arquiteto apresentou uma fachada toda ornamentada, e quando concluiu a obra, alegou falta de recursos para completá-la. Além da edificação, mereceu destaque o jardim, projetado por Mina Klabin, devido ao uso pioneiro de espécies tropicais.

Pronta em 1928, a casa se tornou ponto de encontro dos modernistas que ainda agitavam – e muito – a cena cultural paulistana.

Tombada como patrimônio histórico depois de muita luta da comunidade vizinha, já que a família havia vendido o terreno e ali seriam construídas torres de edifícios, a Casa hoje está preservada, bem como o jardim em seu entorno.  O Parque Modernista fica na Rua Santa Cruz, 328 e pode ser visitado gratuitamente, de terça a domingo, das 9h às 17h.

Museu Lasar Segall

O artista lituano Lasar Segall vivia na Alemanha na década de 1920 quando, pressionado pela crise econômica, decide se mudar para o Brasil. Em fins de 1923, chega a São Paulo, onde é acolhido pelos modernistas, que saúdam sua chegada como uma vitória para as vanguardas brasileiras. Mário de Andrade, o mais entusiasta entre eles, escreve uma série de ensaios sobre Segall, publicando-os na imprensa paulistana.

Em 1924, promove a conferência Sobre arte, na Villa Kyrial, residência do senador José de Freitas Valle, também na Vila Mariana (veja ao lado).

Em junho de 1925, Segall casou-se com Jenny Klabin, mas no mesmo ano, o casal parte para a Europa, onde permaneceria até 1932.

No retorno, o artista, a esposa e os dois filhos nascidos durante o período na Europa se fixaram residência na casa da Rua Afonso Celso, local que hoje abriga o Museu Lasar Segall. A casa e o ateliê foram também projetados pelo arquiteto Gregori Warchavchik, concunhado do artista e precursor da arquitetura moderna no Brasil.

Parte dos móveis e objetos foi criada pelo próprio Segall.

O Museu Lasar Segall começou a ser criado em 1957, ano de  falecimento de Lasar Segall por projeto da viúva Jenny.

O Museu hoje mantém ainda o ateliê do artista, boa parte do acervo de obras de influência modernista, e os móveis desenhados por Segall.

Pode ser visitado gratuitamente,  de quarta a segunda, das 11h às 19h. Fecha às terças. Fica na Rua Berta, 111 – V. Mariana. Telefone: 2159 0400. Site: museusegall.org.br.

Villa Kyriall

Se as casas de Warkchavchik e Segall eram freqeuntadas pelos modernistas mais na década de 1930, a Villa Kyrial, também na Vila Mariana, já recebia os artistas e intelectuais bem antes, na efervescência que levou à Semana de Arte Moderna de 1922.  A casa foi construída bem no início do século XX, pelo então senador Freitas Vale. Um terreno de 7 mil metros quadrados abrigava a casa que tinha um estilo belle époque e era ricamente decorado se assemelhando a salões frequentados por artistas e intelectuais na Europa.

Ao casarão foi dado o nome de Villa Kyrial e ficava na altura do número 300 da atual Rua Domingos de Morais. O nome tem origem grega. Talvez tenha sido esse visual e charme que atraíram artistas como Mario e Osvald de Andrade, Guilherme de Almeida, Mario de Andrade e Lasar Segall, que promoveu conferência de arte no local.

Mas, diferente dos outrospontos históricos, a Villa Kurial não existe mais, foi demolida e deu lugar a um prédio na década de 1960. Também surgiu a rua Eduardo Martinelli onde, estima-se, ficava parte do imenso e arborizado terreno (foto acima).

Quem quiser conhecer mais sobre a história da  Villa Kyrial encontra, entretanto, ótimas e completas histórias no livro Villa Kyrial, da historiadora Marcia Camargos, hoje residente em Paris.

Mac/Usp

Também na Vila Mariana, o Museu de Arte Contemporânea da USP é outro endereço obrigatório para quem quer conhecer mais a obra dos modernistas. Tem entrada gratuita, de terça a domingo, das 9h às 17h,  e fica na Av. Pedro Álvares Cabral, 1301

Ali há obras de expoentes do modernismo como Anita Malfatti e Tarsila do Amaral. Há também atualmente uma exposição que resgata outros trabalhos dos modernistas que nos permitem observar os processos utilizados na inserção dessa linguagem no cotidiano. Trata-se de projetos para ilustração, cartazes e capas de revistas; estudos para murais decorativos etc.

Casa do Sítio da Ressaca

Mas, e o Sítio da Ressaca, casa bandeirantista provavelmente construída no século XVII, em que está relacionada ao movimento modernista? Esse patrimônio histórico estava esquecido e abandonado em área erma no Jabaquara, quando Maro de Andrade foi o primeiro secretário de Cultura da Cidade e garantiu que se tornasse um bem preservado.

Fica na Rua Nadra Raffoul Mokodsi, 3, Jabaquara.

 

Com informações da Secretaria Municipal de Cultura, Museu Lasar Segall

Advertisement
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

© 2022 Jornal São Paulo Zona Sul - Todos os Direitos Reservados