Siga-nos

Saúde

Usuários de crack podem ser internados compulsoriamente

Publicado

em

Sob viadutos, em praças ou avenidas, consumo do crack cria cenários deprimentes na região. Novo projeto federal pode mudar realidade de adictos?

É uma epidemia. E quem vive na cidade de São Paulo já vê sinais há tempos: crianças, jovens e adultos estão perdendo expectativas de uma vida dignamente digna por conta do vício em crack. Estes sinais não estão mais reduzidos à chamada cracolândia, espalham-se por todos os bairros. Na região, as ilhas centrais da Avenida Jornalista Roberto Marinho é um reduto. Áreas verdes ao redor do aeroporto de Congonhas, praças como a Barão de Japurá, baixos de viadutos como o Onze de Junho ou o Arapuã são outros tristes cenários. Eles também estão em casas abandonadas, pelos becos ou mesmo escondidos em seus quartos…

Enfrentar o crack e suas consequências tem sido uma missão que o poder público não tem conseguido cumprir. Um dos principais desafios é tratar o usuário, que muitas vezes recusa ajuda. Mas, agora, o novo plano para enfrentamento da droga prevê até mesmo a internação compulsória, ou seja, a pessoa pode ser levada à internação mesmo que não seja esta sua vontade. O conjunto de ações integradas do governo federal para enfrentar o crack e outras drogas. Com investimento de R$ 4 bilhões da União e articulação com estados, municípios e sociedade civil, a iniciativa tem proposta ousada: aumentar a oferta de tratamento de saúde aos usuários de drogas, enfrentar o tráfico e as organizações criminosas, além de ampliar as ações de prevenção.

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha disse que o plano funcionará de forma multissetorial, envolvendo, além dos serviços de saúde, educação, segurança pública. “Não se faz sair da dependência química, sem oferecer meios de recuperar os valores e os projetos de vida das pessoas. Queremos criar ambientes seguros, inclusive para que os profissionais possam atuar. A atenção ao pacientes deve respeitar a dignidade humana e sua reintegração à sociedade deve estar baseada no compromisso com o afeto e acolhimento.”

Outro foco é a integração de inteligência e cooperação entre Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal e polícias estaduais, a realização de policiamento ostensivo nos pontos de uso de drogas nas cidades. E vai além: promete a revitalização desses espaços.

Foram também planejadas ações nas escolas, nas comunidades e de comunicação com a população, para prevenir a dependência.

Serão criadas enfermarias especializadas nos hospitais do Sistema Único de Saúde (SUS) e, até 2014, o Ministério da Saúde repassará recursos para que estados e municípios criem 2.462 leitos, usados para atendimentos e internações de curta duração durante crises de abstinência e em casos de intoxicações graves. Para estimular a criação destes espaços, o valor da diária de internação crescerá 250% – de R$ 57 para até R$ 200. Ao todo, serão investidos R$ 670,6 milhões.

Nos locais em que há maior incidência de consumo de crack, serão criados 308 consultórios de rua, que farão atendimento volante. As equipes são compostas por médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem. De acordo com o governo federal, os recursos já estão disponíveis e aguardam apenas a adesão dos municípios. O Ministério do Desenvolvimento Social também entra nessa estratégia ao investir R$ 45 milhões, na assistência social às pessoas atendidas pela ação. O serviço será  conduzido pelos Centros de Referência Especializado de Assistência Social (Creas). Esses recursos reforçarão o trabalho de busca ativa da população em situação de rua, para inserção no Cadastro Único e nos programas e serviços conduzidos pela pasta, como a transferência de renda.

Na região, há poucas semanas foi criado um centro deste tipo, na Rua Madre Cabrini, na Vila Mariana, pela Prefeitura. Já para o Jabaquara, existe o plano de transformar o Hospital Psiquiátrico da Água Funda, que é estdual, no atendimento a dependentes de drogas.

Já os Centros de Atenção Psicossocial para Álcool e Drogas (CAPSad) passarão a funcionar 24 horas por dia, 7 dias por semana. O atendimento será ainda reforçado pela criação de Unidades de Acolhimento, que cuidarão em regime residencial por até seis meses, para manutenção da estabilidade clínica e o controle da abstinência. Para o público adulto, serão criados 408 estabelecimentos e, para o acolhimento infanto-juvenil, serão 166 pontos exclusivos para o público de 10 a 18 anos de idade.

Advertisement
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

© 2023 Jornal São Paulo Zona Sul - Todos os Direitos Reservados