Siga-nos

Saúde

Surto de febre amarela provoca corrida por vacinas

Publicado

em

Com 70 casos confirmados da doença, o número de infectados pela febre amarela no Brasil em 2017 já ultrapassou em menos de um mês os casos registrados na última grande ocorrência da doença no país, entre 2007 e 2008, quando 48 pessoas foram contaminadas pelo vírus. Em 2007, a doença se alastrou por nove estados, incluindo os da Região Sul. Este ano, até agora, o surto está concentrado em Minas Gerais, mas há casos registrados também na Bahia, Espírito Santo e em São Paulo.
Diante do surto de febre amarela, o Ministério da Saúde decidiu reforçar a distribuição da vacina contra a doença em 11,5 milhões de doses. Este ano, 5,5 milhões de vacinas já foram repassadas aos estados.
Das 11,5 milhões de doses adicionais da vacina, 6 milhões serão entregues nos próximos dias e 5,5 milhões serão distribuídos conforme a necessidade dos estados.
A vacina é indicada para as pessoas que moram em regiões de risco ou vão viajar para essas áreas. Em São Paulo, a cidade de Jales, Barretos, Franca e São José do Rio Preto são consideradas de maior risco para contrair a febre amarela. Também é preciso ficar atento quem vive ou vai até Araçatuba, Araraquara, Bauru e São João da Boa Vista.
As pessoas que pretendem visitar as áreas de risco precisam tomar a vacina com 10 dias de antecedência para garantir o efeito.
O esquema vacinal da febre amarela é de duas doses, tanto para adultos quanto para crianças. As crianças devem receber as vacinas aos nove meses e aos quatro anos de idade.
Assim, a proteção está garantida para o resto da vida. Para quem não tomou as doses na infância, a orientação é tomar uma dose e um reforço, dez anos depois da primeira. As orientações são apenas para as pessoas que vivem ou viajam para as áreas de recomendação da vacina.
Informações importantes sobre a febre amarela:
– A febre amarela não é contagiosa;
– É transmitida somente pela picada de mosquitos infectados com o vírus da febre amarela;
– Entre os sintomas iniciais estão calafrios, dor de cabeça, dores nas costas, dores no corpo em geral, náuseas e vômitos e fadiga;
– Não há nenhum tratamento específico contra a doença. O médico deve tratar os sintomas, como as dores no corpo e cabeça, com analgésicos e antitérmicos;
– Consulte um médico antes de tomar a vacina;

Foto 7

Advertisement
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

© 2022 Jornal São Paulo Zona Sul - Todos os Direitos Reservados