Jornal São Paulo Zona Sul

Sesc Vila Mariana homenageia duas escritoras negras, duas “Carolinas”

Duas histórias diferentes que se cruzam. Duas “Carolinas”que têm grande importância na literatura de resistência e marcaram a força da mulher negra por meio de seus relatos. Nos dias 17 e 18, sábado e domingo, às 15h, o Sesc Vila Mariana promove “Um Museu entre Carolinas”.

O evento contextualiza e homenageia as obras de Carolina Maria de Jesus e Carolina Noémia de Sousa, duas escritoras que retrataram a resistência e a luta na época. A intervenção lítero-músical feita pelos músicos e educadores Mariana Per, Paulo Rafael, Tita Reis e Renato Gama no dia 17 de agosto é uma preparação para a visita ao Museu Afro Brasil, localizado no Parque do Ibirapuera.

O museu foi escolhido por homenageá-las – a biblioteca abriga um acervo especializado em escravidão, tráfico de escravos, abolição da escravatura, da América Latina, Caribe e Estados Unidos, leva o nome de Carolina Maria de Jesus (foto abaixo, à esquerda). No mesmo espaço, os poemas de Carolina Noémia de Sousa (abaixo, à direita) estão expostos próximo aos resquícios de um navio negreiro.

O primeiro dia conta com uma intervenção lítero-musical, já no segundo o público é convidado a fazer a visita ao Museu Afro Brasil. A programação gratuita não é sequencial e faz parte do projeto “Do 13 ao 20 – (Re) Existência do Povo Negro” do Sesc São Paulo, que oferece atrações que abordam as lutas, conquistas, manifestações e as realidades do povo negro, interrelacionando as datas de 13 de Maio (Abolição) e 20 de Novembro (Dia da Consciência Negra, que marca a luta de Zumbi dos Palmares).

As escritoras

Carolina Maria de Jesus foi uma das primeiras escritoras negras do Brasil, conhecida por seu livro Quarto de Despejo: Diário de uma Favelada, obra publicada nos anos 1960 e traduzida em 13 idiomas, reúne cerca de 20 de seus diários retratando o cotidiano de uma comunidade em São Paulo, além de contar o que passou nos anos em que morou no local com seus três filhos.

Carolina Noémia de Sousa, mais conhecida como Noémia de Sousa foi uma jornalista, poeta e militante moçambicana, considerada como “a mãe dos poetas moçambicanos”. Seu único livro Sangue Negro (2001) reúne dezenas de poemas que falam sobre a independência de seu país natal e da repressão sobre a mulher.

Os educadores

Mariana Per é educadora do Museu Afro, musicista, intérprete, compositora e contadora de histórias. É co-criadora do Projeto “Terça Afro” e do sarau “É Coisa Nossa” realizado no Bar Lapeju, foi produtora geral do FENAPO (Festival Nacional de Arte e Poesia) em 2012 e 2013. Participa dos coletivos Morabeza Nação, 3Áfricas, Coletivo Cultural Rabo de Kalango e Sá Menina. Paulo Rafael é educador, historiador, escritor. Pesquisa o Museu Afro e escreveu um texto sobre a instituição, a ser publicado ainda esse ano. Tita Reis é músico, historiador, pesquisador e compositor. Renato Gama é músico, musicoterapeuta, educador e compositor.

Serviço:

Um Museu entre Carolinas – Intervenção lítero-musical. Com Mariana Per, Paulo Rafael, Tita Reis e Renato Gama. Dia 17 de agosto, sábado, 15h. Local: Praça de Eventos. Não recomendado para menores de 12 anos. Grátis. Um Museu entre Carolinas – Visita ao Museu Afro Brasil. Com Mariana Per, Paulo Rafael, Tita Reis e Renato Gama. Dia 18 de agosto, sábado. Local: Externo – Museu Afro Brasil: Av. Pedro Álvares Cabral, s/n – Pq. Do Ibirapuera, Portão 10. Não recomendado para menores de 12 anos. Grátis – Inscrições na Central de Atendimento do Sesc Vila Mariana.
O Sesc Vila Mariana fica na Rua Pelotas, 141. Informações: 5080-3000 ou site: sescsp.org.br

Comentar

WhatsApp chat Receba as edições por WhatsApp!