Jornal São Paulo Zona Sul

Restaurantes continuam impedidos de receber clientes à noite

A quarentena no Estado de São Paulo foi estendida até dia 10 de agosto e, novamente, pode ser prorrogada. Apesar de a cidade de São Paulo estar na fase Amarela do chamado Plano São Paulo, de retomada da Economia, alguns setores da economia ainda sofrem com as atividades ainda proibidas.

É o caso de bares e restaurantes que têm faturamento baseado no período noturno. Pizzarias, barzinhos, cervejarias e outros negócios que têm maior movimento no happy hour e jantar estão com as portas fechadas desde 20 de março.

Na fase amarela, é permitida a abertura do comércio, incluindo restaurantes, por seis horas diárias. No restante do dia e da noite, podem apenas funcionar em sistema de delivery e retirada.

Mas, especialmente para barzinhos e pizzarias, esse atendimento não é suficiente para garantir a manutenção da casa e muitos temem a falência. “A cada dia que passa, as decisões do Governo e Prefeitura tornam a nossa esperança de reabrir as portas mais distantes”, diz uma empresária do ramo. “Se quiser sair para almoçar pode, jantar não. Se quiser comer ao ar livre, para evitar contaminação não pode, mas fechado no salão pode, na contramão do mundo! Se quiser viajar, se hospedar, dormindo, tomando banho, café da manhã, pode…mas sentar em uma pizzaria ou restaurante após 17h, não! Mesmo com toda higiene e protocolo e utilizando o espaço por pouco mais de uma hora!”, complementa.

Ela ainda questiona o fato de os restaurantes de shopping centers terem sido autorizados a funcionar no período noturno. “Só queremos ter a mesma oportunidade dos restaurantes de Shoppings, abertos até as 22h00!!!! Ou o Vírus não frequenta Shoppings? Restaurantes e Pizzarias que só funcionam no período noturno, foram jogados à própria sorte, sendo riscados da possibilidade de reabertura, baseados em decisões muito questionáveis e sem qualquer embasamento científico! Que Deus nos ajude a sobreviver!”, desabafa. “Já são 127 dias Fechados, mas mantivemos todos os nossos empregados! Governador e Prefeito de São Paulo: n”os deem a chance de manter os seus empregos!”, conclui

O jornal São Paulo Zona Sul levou os questionamentos à Prefeitura e ao Governo do Estado. A Prefeitura enviou nota, informando que segue o Plano São Paulo, elaborado pelo Governo do Estado, que regula a liberação de atividade econômica setorial durante a pandemia. E informou que o protocolo assinado em comum acordo com as entidades representativas do setor de bares e restaurantes no último dia 4 de julho, que obteve aval da Vigilância Sanitária do município, prevê que os estabelecimentos podem receber público por até seis horas diárias e com limite de horário até as 22h. Mas, o problema é que o Governo do Estado não liberou a abertura do setor gastronômico no período noturno, ou seja, em nenhuma cidade do Estado pode haver essa abertura.

Diz ainda que o documento assinado pelas entidades do setor também veda o uso da calçada durante a Fase Amarela, como maneira de promover distanciamento e evitar aglomerações.

Em entrevista coletiva nessa sexta, 31, a secretária de Desenvolvimento Econômico do Governo do Estado admitiu a preocupação com a saúde financeira do setor e que reconhece as demandas. Ela afirma que em novo decreto será permitido o uso de áreas externas, sem aglomeração e com ventilação suficiente, e disse ainda que o comitê de Contingenciamento da Covid deve liberar o fracionamento do horário de funcionamento de restaurantes (3 horas no almoço e outras 3 no jantar, por exemplo), além de extensão do horário limite, que o Governo do Estado havia estabelecido para 17h.

O coordenador do comitê de Contingenciamento da Covid 19 no Estado, Paulo Menezes, por sua vez, afirmou que essas decisões devem ser tomadas já no início da próxima semana.

Comentar