Siga-nos

Coronavírus

Quarentena: sem data para abrir parques, escolas e restaurantes

Publicado

em

Quando o Governo do Estado anunciou que a capital seria incluída na zona laranja, ou seja, na área onde poderá haver reabertura do comércio na próxima segunda, 1 de junho, a expectativa de muitos comerciantes era de já retomar as atividades.

No entanto, o prefeito Bruno Covas disse que tudo permanece como está, ou seja, apenas serviços essenciais podem continuar abertos e prometeu fiscalização.

Segundo Covas, para reabrir, entidades que representam os diferentes setores da economia devem apresentaram planos com protocolos de segurança. Só depois de essa documentação ser avaliada pela equipe de Saúde e Vigilância Sanitária é que a abertura poderá ser decretada – e o prefeito não deu data para isso ocorrer.

A expectativa é de que a reabertura aconteça ainda antes do Dia dos Namorados. Por enquanto, nessa fase 2 – Laranja, estarão autorizados a abrir shopping centers, lojas de rua, concessionárias, imobiliárias e outros escritórios.

O uso das máscaras continuará obrigatório ao longo de todo processo de retomada e posteriormente, também.

Salões de beleza, clínicas estéticas, podólogos e outros serviços de beleza devem permanecer fechados. Bares, restaurantes, padarias e lanchonetes só podem continuar atendendo em sistema de delivery ou retirada. Esses setores só poderão abrir na fase 3 – Amarela, do chamado Plano São Paulo de retomada da economia, ou seja, na etapa seguinte. Mas, prefeito e governador já avisaram que se os números voltarem a crescer, a cidade volta ao estágio anterior, ou seja, tudo fechado exceto os serviços essenciais.

No Plano anunciado essa semana, as Academias estão na fase 4 – verde, ou seja, só depois da reabertura segura de estabelecimentos dos setores gastronômico e de beleza, com manutenção dos números baixos de contágio, elas poderiam ser reabertas.

Já parques, cinemas, teatros, espaços culturais, salões de festas e buffets, bem como eventos de grande porte, públicos ou particulares, e shows só seriam liberados na última fase do plano, sem qualquer expectativa de data.

O mesmo com relação às escolas – ainda não se sabe quando as escolas e creches seriam reabertas. A discussão será realizada paralelamente, até porque a retomada do comércio vai levar de volta ao trabalho muitas mães e pais, deixando crianças e adolescentes sem ter onde ficar. Vale destacar que avós estão evitando contato com o restante da família para evitar o contágio pela Covid-19.

Na entrevista coletiva, o prefeito destacou que os setores privados deverão mostrar também como garantir que não haja o desemprego da mulher trabalhadora.

Advertisement
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

© 2021 Jornal São Paulo Zona Sul - Todos os Direitos Reservados