Siga-nos

Ecourbis

Qualquer sujeira pode agravar enchentes

Publicado

em

Da bituca de cigarro ao entulho abandonado irregularmente em vias públicas, qualquer volume de sujeira ou resíduos pode contribuir negativamente para a formação de pontos de alagamento na cidade.

A sujeira que escorre pelas sarjetas, por ter sido displicentemente jogada por um transeunte ou aquela que foi despejada em vasos sanitários, deixada em horário irregular na porta de casa, são atitudes de negligência ou mesmo crimes ambientais que acabam acarretando danos a todos os moradores da cidade.

Deslizamentos de terra acabam provocando a morte de pessoas, alagamentos e enchentes não apenas travam o trânsito mas podem também inundar casas e destruir pertences de inúmeras famílias.

Sem falar nas doenças e riscos paralelos, provocados também na época das chuvas.

Bitucas

Ninguém acaba de fumar na sala de casa e joga a bituca no chão. Mas, pelas da cidade, as pessoas fazem isso. Por que?

A bituca de cigarro é um dos melhores exemplos de como algo que parece inofensivo na verdade pode provocar muitos danos.

Em tempos de seca, a bituca de cigarro pode provocar incêndios, em áreas urbanas e rurais.

Mas na época das chuvas, as bitucas contribuem para entupimento de bueiros, bocas de lobo e tubulações.

Estima-se que, por dia, sejam descartadas no mundo mais de 12 bilhões de bitucas .

De acordo com a ONU Meio Ambiente, há mais restos de cigarro nos mares do que canudos. Vale destacar que as bitucas têm material contaminante . Outra instituição, – a Ocean Conservancy – patrocina a limpeza de praias ao redor do mundo todos os anos. E informa que em seus mais de 30 anos de atuação foram encontrados e recolhidos mais de 60 milhões de bitucas nos mares e que esse foi o tipo de resíduo mais encontrado.

Na área urbana, as bitucas estão em todo lugar: praças, ruas, sarjetas, terrenos abandonados. No entorno de bares e pontos de ônibus, a concentração é ainda maior.

São Paulo conta, agora, inclusive com um movimento – Mundo sem Bitucas – para conscientizar o cidadão da capital a usar bituqueiras ou guardar suas sobras de cigarro no próprio maço até chegar em casa.

Assoreamento

Outro problema sério nos centros urbanos como São Paulo é a poluição dos rios.

Nossos cursos d’água, subterrâneos ou não, têm pouco ou nenhum oxigênio por causa da sujeira, da poluição por esgotos e sujeira que chega até eles.

Na época das chuvas, essa situação se agrava por conta da sujeira deixada pela população nas ruas. Todo resíduo – da embalagem jogada pelas ruas ao entulho descartado incorretamente, pode ser levado pela água das chuvas, entrar pelas galerias fluviais e chegar aos rios.

Ao longo do tempo, essa sujeira vai assentando no fundo dos rios – é o que se chama assoreamento.

Para se ter uma ideia,só no ano passado foram retirados 635 mil de metros cúbicos de sedimentos dos rios Pinheiros e Tietê, o correspondente a cerca de 40 mil caminhões basculantes (16 m³).

400 mil toneladas de sedimentos como areia e argila do rio Tietê, com investimento de R$ 45 milhões. Seu afluente, o Pinheiros registrou recorde de remoção de dentro do rio e das margens (170 mil m³ desassoreamento e 322 mil m³ desaterro), com carga equivalente a 500 mil m³ de sedimentos retirados, ou seja, mais de 30 mil caminhões. Também houve a remoção de 9 mil toneladas de lixo das águas.

Esse ano, houve também ação específica para retirar lixo flutuante, para evitar, inclusive, a proliferação de pernilongos na cidade, do tipo culex: já foram removidas mais de 12 mil toneladas de resíduos.

Armazenar

Mas, nenhuma dessas ações têm efeito prolongado se a população não colaborar.

Uma ação importante é o armazenamento correto dos resíduos em casa.

Os resíduos orgânicos – sobras de comida, por exemplo – devem ser colocados na lixeira comum. Não jogue óleo ou nenhum outro resto de alimento pela tubulação. O mesmo vale para os rejeitos – cigarros, papel higiênico, absorventes, fraldas descartáveis, papel engordurado e sujo…

Os recicláveis devem ser separados para a coleta seletiva. Lembre-se de enxaguar as embalagens antes de colocá-las todas em um único saco, só com recicláveis – papel, metal, plástico e vidro. Embora todo esse material vá ser processado e lavado antes da reciclagem, vale lembrar que ele fica armazenado por alguns dias e a limpeza evita mau cheiro e proliferação de insetos.

Nas zonas sul e leste paulistana, tanto a coleta domiciliar regular quanto a coleta seletiva são serviços prestados pela concessionária Ecourbis. Para saber a data e horário em que cada uma delas acontece, acesse ecourbis.com.br/e-coleta.aspx.

É importante consultar o horário para não deixar os sacos por muitas horas na rua – podem ser alvo do ataque de animais ou ser levados pela enxurrada, em dias de chuvas fortes. Lembre-se também de usar embalagens resistentes, não sobrecarregá-las ou deixá-las muito pesadas, o que aumentaria o risco de rasgarem.

Escorpiões

Outra preocupação constante deve ser com o acúmulo de objetos inservíveis e entulho no quintal ou garagem de casa.

A acumulação é perigosa por vários motivos – psicológicos, inclusive, já que o hábito de colecionar ou acumular objetos em casa podem levar a transtornos psiquiátricos.

Além disso, o acúmulo pode atrair insetos, roedores e até escorpiões.

Na época das chuvas, os escorpiões podem fazer esconderijos em buracos de paredes, pilhas de entulho ou outros ambientes em que há muitas coisas armazenadas.

Para evitar o aparecimento de escorpiões, que é comum nos meses de dezembro a março, portanto, é imprescindível manter os ambientes domésticos limpos. Vale destacar que o lixo doméstico comum precisa estar sempre bem fechado, porque moscas e baratas são o alimento preferido de escorpiões.

Não acumule entulho ou bagulho dentro de casa. Lembre-se que na cidade existem mais de 100 ecopontos onde esses resíduos podem ser descartados de forma legal e gratuita, e eles funcionam todos os dias da semana.

Há também operações Cata Bagulho agendadas na cidade para remover gratuitamente esses itens.

Informações de endereços e agenda pelo telefone 156

Advertisement
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

© 2020 Jornal São Paulo Zona Sul - Todos os Direitos Reservados