Siga-nos

Ecourbis

Plano define monitoramento de lixo no litoral paulista

Publicado

em

Em janeiro, o Estado de São Paulo lançou um Plano Estratégico de Monitoramento e Avaliação do Lixo no Mar (Pemalm). Pioneiro no Brasil o documento foi lançado pela Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente (SIMA), pela USP, por meio do Instituto Oceanográfico (IO/USP), da Cátedra UNESCO para a Sustentabilidade do Oceano, e por meio do Instituto de estudos Avançados (IEA/USP).

Os ambientes costeiros e marinhos são responsáveis pela regulação do clima no planeta, reciclagem de nutrientes, recreação e o lazer, e vêm sofrendo com a pressão sobre os recursos naturais, a poluição e as mudanças climáticas.

Embora os itens plásticos respondam pela maior quantidade de lixo nos oceanos, há materiais como o papel, bitucas de cigarro, petrechos de pesca, tecido, madeira, metal, vidro, borracha, que são originados por diversas fontes. Ações humanas em terra e no ambiente marinho e a gestão inadequada dos resíduos sólidos são alguns dos fatores responsáveis pelo lixo no mar.

O estado paulista foi o primeiro a elaborar o documento, iniciado em 2019, que contou com a participação de diversos  setores da sociedade (público, privado, sociedade civil, academia).

O plano traz um conjunto de indicadores (de geração de lixo, de exposição e de impactos) recomendados para o monitoramento e avaliação do lixo no mar, que vai permitir uma análise das melhores opções para o combate efetivo do problema.

O documento está inserido nas metas do Plano Estadual de Resíduos Sólidos (PERS) e ainda possibilita a integração com outras políticas públicas ambientais de planejamento e conservação do estado.

A iniciativa está alinhada com a agenda internacional de conservação marinha, como os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030 (especificamente o ODS 14) e a Década do Oceano da ONU (2021-2030).

De acordo com o pesquisador e professor do IOUSP Alexander Turra, um dos principais idealizadores e coordenador técnico do Plano, a próxima etapa é sua implementação, que deve ocorrer ainda em 2021. E a expectativa é que este documento subsidie a elaboração do plano de combate ao lixo no mar do estado de São Paulo”.

Cenário

A gestão do lixo no mar é complexa e ligada à gestão de resíduos sólidos do estado, incluindo municípios que não estão na zona costeira. Portanto, gerir o lixo no mar envolve entender como os resíduos chegam ao oceano e como cada etapa de sua cadeia produtiva, de consumo e descarte pode aportar no ambiente marinho.

Sem uma base de dados no país, os gestores identificaram a necessidade de  desenvolver um diagnóstico das principais fontes de resíduos que são levados até o oceano como ponto de partida para a implementação de ações de combate precisas e embasadas cientificamente.

O Pemalm surgiu neste contexto. Uma combinação do esforço coletivo de diversos setores da sociedade para responder à necessidade de se compreender o problema e então buscar formas de combatê-lo.

O Plano está disponível para consulta e download na internet: www.pemalm.com/
o-plano

Advertisement
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

© 2021 Jornal São Paulo Zona Sul - Todos os Direitos Reservados