Siga-nos

Ecourbis

Museu do Lixo tem preciosidades

Publicado

em

Em 2021, a falta de chuvas gerou diversos problemas para os brasileiros – do aumento no valor da conta de energia elétrica a aumento no preço de alimentos por safras comprometidas.

Na capital paulista e cidades próximas, o comprometimento de represas que abastecem a capital ainda gera o risco de racionamento no fornecimento de água potável à população.

Nesse início de 2022, Prefeitura de São Paulo e Sabesp, a concessionária de água e esgoto que abastece a capital,  se uniram para  anunciar obras para melhorar também a qualidade da água da Guarapiranga, com tratamento de esgoto e saneamento básico.

Mas, é importante lembrar que o despejo de esgoto não é a única razão do comprometimento da qualidade da água da Represa de Guarapiranga – o descarte irregular de lixo tanto diretamente no próprio manancial quanto em outras partes da cidade gera poluição daquelas águas fundamentais para o abastecimento da população.

Sujeira irregularmente descartada nas ruas, praças, beiras de córrego de toda a cidade podem ser levados para lá pelas chuvas e curso dos rios.

O problema vem se agravando desde a década de 1980, principalmente, com a poluição comprometendo até a qualidade e a quantidade de água do reservatório e fazendo com que fosse necessário o aumento no uso de produtos químicos utilizados no processo de tratamento da água, na Estação de Tratamento de Água Alto da Boa Vista e aumentando os custos envolvidos nesse tratamento.

Ou seja, o resto de comida que um cidadão coloca displicentemente sobre uma lixeira já lotada em uma rua da Vila Mariana pode acabar na represa. Assim como um saco de lixo doméstico deixado na beira de um córrego também irá comprometer a qualidade das águas paulistanas.

A importância de descartar todo e qualquer resíduo corretamente é tão grande que o Parque Ecológico da Guarapiranga – parque público aberto à visitação popular – conta até com um Museu do Lixo.

Estão expostas 300 peças inusitadas e até eletrodomésticos antigos, todos retirados de dentro da represa. Há brinquedos, aparelhos de televisão e até mesmo um carro.

O Museu existe desde 2000 e foi criado para conscientizar as pessoas a não jogar lixo em lugares inapropriados. Na época, um mutirão retirou da represa 10 toneladas de lixo.

A intenção é lembrar os visitantes que inúmeros materiais demoram centenas de anos para se decompor. E todo lixo jogado nas represas e rios pode gerar vários problemas, como alagamentos, entupimentos, além de poluir a água e causar doenças.

O Parque Ecológico do Guarapiranga fica na  Estrada da Riviera, 3286. Fone: (11) 5517-6707. Gratuito.

Advertisement
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

© 2022 Jornal São Paulo Zona Sul - Todos os Direitos Reservados