Siga-nos

Transporte

Moradores protestam na Câmara contra desapropriações da Água Espraiada

Publicado

em

“A desocupação de imóveis, inclusive daqueles sob locação, quando atingidos pelas intervenções urbanísticas desta Operação Urbana Consorciada, deverá atentar para o direito de permanência desses moradores na região e, no caso de locatários, ao direito de acomodação em condições dignas até sua incorporação em Programas Habitacionais”
O texto integra o artigo 15 da Lei Original que estabelece as regras para a Operação Urbana Água Espraiada. No entanto, proprietários de imóveis que podem ser desapropriados, especialmente após as alterações de projetos definidas pelo ex-prefeito Gilberto Kassab em decreto já aprovado, também na gestão anterior, pelos vereadores, acreditam que não terão este benefício.
O Consabeja (Conselho das Associações Amigos de Bairros do Jabaquara e Adjacências) solicitou audiência pública aos vereadores para debater, especialmente, o destino não daquelas pessoas que vivem em favelas ao longo do Córrego Água Espraiada e que devem ser atendidas por programas habitacionais, mas sim para daqueles que têm imóveis regulares, pagam IPTU há décadas, e devem ter suas casas desapropriadas para a construção de túnel, poços de ventilação e parques previstos na Operação Urbana.
O prefeito Fernando Haddad já declarou que não pretende priorizar em seu mandato a construção dos túneis, mas sim as obras habitacionais para abrigar as populações ribeirinhas e avançar com o parque.
Mas, os proprietários de imóveis estão inseguros. Afinal, mesmo que o prefeito atual não opte pela desapropriação, ela pode ocorrer no futuro, já que não foram feitas mudanças na legislação.
Audiência
A audiência solicitada pelos moradores aconteceu esta semana, na quarta-feira, promovida pela Comissão de Administração Pública. Moradores presentes questionaram os valores propostos pela Prefeitura para a aquisição de seus imóveis, e mesmo a necessidade das desapropriações. Eles garantem que alguns proprietários já foram sondados, com valores abaixo dos praticados pelo mercado.
“O que a gente quer garantir no Jabaquara é o artigo 15 da Lei Municipal 13.260, que ainda está em vigor, e preza pela garantia de moradia para todos que estão no Jabaquara, na área de intervenção, independentemente de morar em comunidade, favela, cortiço, ou ser proprietário do imóvel. Nem a SP Obras, nem a prefeitura estão garantindo”, disse Mauro Silva, do Consabeja.
Segundo informações prestadas pela prefeitura à Câmara Municipal, em janeiro deste ano, atualmente a operação possui 446 ações de desapropriação em curso e outras 964 em fase de ajuizamento, totalizando 1.410 imóveis.No documento, o chefe de gabinete da Secretaria de Governo da prefeitura, Felipe de Paula, afirma que a maior parte das desapropriações (896) está relacionada à criação do parque linear às margens do córrego Água Espraiada, que também prevê a construção de um túnel de 2,3 km de extensão ligando a Avenida Jornalista Roberto Marinho e a Rodovia dos Imigrantes – obra que está parada atualmente.
“Como é de conhecimento público, o prefeito decidiu inverter a prioridade da operação urbana, intensificando as construções de habitação de interesse social e com isso, no momento, está suspensa a construção do túnel da Av. Jornalista Roberto Marinho”, afirma o documento, que foi lido durante a audiência pelo presidente da comissão, Mário Covas Neto (PSDB). Para Covas, se o túnel não está mais nos planos do Executivo, o prefeito Fernando Haddad deveria enviar um projeto de lei retirando-o da operação.
Já o vereador Donato (PT) ponderou que os moradores estão certos em questionar as desapropriações, mas acredita que o mais importante é garantir indenizações justas aos proprietários – o que, segundo ele, tem sido feito pela Justiça.
“O processo de desapropriação se inicia com uma proposta da prefeitura, que vai para o juiz, que designa um perito para determinar o valor final. Via de regra, na Operação Urbana Água Espraiada, o juiz está determinando o dobro ou mais que o dobro do valor oferecido pela prefeitura”, afirmou o vereador.
Ele também criticou a gestão Gilberto Kassab pela inclusão do túnel nas obras previstas pela operação – o que foi feito em 2011, através de uma lei aprovada pela Câmara Municipal. “O túnel, ao contrário do que seria esperado, aumentou, ao invés de diminuir o número de desapropriações. Além de explodir o custo da Operação Urbana”, disse o petista. O projeto original, de 2001, previa uma avenida no lugar do parque linear, e apenas uma passagem de 400 m sob a Avenida George Corbisier, para ligá-la à Imigrantes.

 

Advertisement
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

© 2020 Jornal São Paulo Zona Sul - Todos os Direitos Reservados