Siga-nos

Saúde

Hospital do Servidor: reforma vai durar dois anos

Publicado

em

Ao mesmo tempo em que o funcionalismo público reclama dos planos do governo para o futuro do Hospital do Servidor Público Estadual, têm início as obras de reforma do prédio que abriga a instituição. Serão investidos quase R$ 150 milhões no antigo prédio que já existe na Vila Clementino há mais de meio século. Segundo o Governo do Estado, será a maior reforma de sua história.

O governo admite que a reforma faz parte de um projeto maior. O Programa de Modernização do Iamspe (PMI) prevê um novo modelo de assistência médica, mais completa e ao mesmo tempo descentralizada para os usuários da instituição. Os servidores, por sua vez, temem que seja estabelecida uma Parceria Público Privada, ou seja, um termo de concessão à iniciativa privada. Na Assembleia Legislativa, existe uma Frente Parlamentar em Defesa do Iamspe e o deputado Luiz Claudio Marcolino (PT) alega que o vice-governador Afif Domingos, que agora assumiu um ministério federal a convite da presidente Dilma Roussef, o Governo do Estado daria como garantia o prédio do atual hospital na Vila Clementino à iniciativa privada.

Entretanto, o secretário estadual de Planejamento e Desenvolvimento Regional, Julio Semeghini, nega e informa que não há intenção em estabelecer contrato administrativo de concessão do serviço público com o Hospital através de parcerias público-privadas.

Reforma

Mais de 1,3 milhão de pessoas são atendidas pelo Hospital do Servidor e o governo garante que, durante as obras, que deverão durar 24 meses, os pacientes terão atendimento de urgência e emergência garantido no prédio da Vila Clementino, uma vez que não haverá desativação do pronto-socorro.

Serão contratados hospitais de retaguarda para receber os servidores e seus dependentes, se necessário. Neste caso, a regulação das vagas será feita pelo próprio Instituto.

Com as obras, o Centro de Oncologia do hospital terá capacidade operacional ampliada em 25%, passando a realizar cerca de 14,3 mil procedimentos por ano. O número de leitos de UTI Adulto será ampliado, passando dos atuais 52 para 78. Será também criado um novo pronto-socorro com especialização em idosos. Já o Centro de Promoção e Proteção à Saúde do Idoso contará com serviço de reabilitação física e social para a promoção do envelhecimento saudável. Ainda fazem parte do projeto uma nova área da Central de Esterilização de Materiais e um novo Centro de Diagnóstico por Imagem.

 

 

 

 

Advertisement
1 Comentário

1 Comentário

  1. Margarida

    24 de setembro de 2013 at 14:03

    Gostaria de parabenizar o elaborador do Projeto Básico e Executivo (se houver, teria que ter) por não ter, quando da definição de prazos de execução da obra, imaginado que é o cúmulo do absurdo, a reforma ter inicio no começo dos meses frios do ano, onde o numero de internações por problemas respiratórios praticamente triplica no Brasil (mas como São Paulo é um país à parte, como dizem, aqui deve ser diferente).Deve-se ficar de olho no andamento das obras nos meses de 12 a 02 próximos pois são meses de férias escolares e da maioria dos servidores, dessa forma os trabalhos deverão render muito mais. Qual o tipo de empreitada dessa licitação?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

© 2022 Jornal São Paulo Zona Sul - Todos os Direitos Reservados