Siga-nos

Cultura

Festival Tô me Guardando celebra o Carnaval pela internet

Publicado

em

A pandemia está em momento crítico, com números alarmantes. Mais de 17 mil moradores da capital paulista já perderam a vida, o número de infectados confirmados ultrapassa meio milhão – e ainda há mais de 700 mil casos suspeitos – e inquérito sorológico apontou que um terço da população já teve contato com a Covid-19. Nesse cenário, todo cuidado ainda é pouco. E foi pensando nisso e, ao mesmo tempo, querendo valorizar o Carnaval Paulistano, que a Prefeitura idealizou um “carnaval online”. É o Festival Tô Me Guardando, iniciativa inédita que pretende apoiar as manifestações carnavalescas de São Paulo.

São 380 atividades, entre instalações artísticas e lúdicas na cidade, apresentações online e atividades nos espaços culturais da Prefeitura e apresentações nas redes sociais dos inscritos no chamamento de manifestações carnavalescas e blocos. Começa nessa sexta, 12 e vai até 28 de fevereiro .

A abertura do Festival, na noite de sexta-feira, dia 12, será com o tradicional Bloco Afro Ilú Obá De Min: no mesmo trajeto que o cortejo toma todos os anos, da Avenida São Luís à Praça Ramos de Azevedo, serão projetados vídeos com imagens de desfiles passados e um telão de LED, acoplado a um carro de som, percorre o trajeto – que termina no Largo do Paissandu, com a projeção do Manifesto Ilú Obá De Min – Carnaval 2021, produzido pelo núcleo audiovisual do Bloco, e que também estará disponível na internet.

Também às 20h, nas redes sociais, o Bloco Pilantragi abre as apresentações virtuais selecionadas a partir do edital de chamamento público de blocos e vivências. Os grupos puderam se inscrever pela internet, e a programação vai até o dia 28, com apresentações musicais e também bate-papos, oficinas e aulas sobre Carnaval, percussão, manifestações populares e artísticas, entre outros assuntos relacionados à data.

São cerca de 380 atividades entre Instalações artísticas e lúdicas na cidade, apresentação nas redes sociais dos espaços culturais da Prefeitura e apresentações nas redes próprias derivadas do chamamento de manifestações carnavalescas comunitárias

Bibliotecas

Vale ressaltar: as atividades serão transmitidas pela internet, mas são gravadas/promovidas por espaços culturais de diversos pontos da cidade.

Ou seja, não há preocupação quanto à distância de sua casa – é possível ver alguma atividade da zona leste e depois conferir outra da zona oeste.

Mas, quem quer conferir a produção da Zona Sul, vai encontrar várias opções.

Na Vila Mariana, por exmeplo, a Biblioteca Viriato Correa recebe, no dia 27, 15h, “Manifestações Populares em Ritmo de Festa [Carnaval]”, com  Cia Porto de Luanda – A classificação é a partir de 10 anos. A apresentação será ao vivo pela internet,  no endereço: www.facebook.com/ciaportodeluanda.pagina

Já a biblioteca Paulo Duarte, no Jabaquara, vai receber “Danuza e o Carnaval das Paródias”, uma atividade de vivência de carnaval para o público de todas as idades mas principalmente infantil . A ideia é apresentar esse gênero musical brasileiro que percorre décadas e encanta a todos com suas músicas divertidas. Algumas das letras foram parodiadas para que a valorização, o respeito e a diversidade fossem mantidas.

Será dia 16 de fevereiro às 17h – no canal de Danuza Novaes. A artista, aliás, vai protagonizar diversas contações de histórias  por toda a cidade.

Culturas Negras

Outro destaque do evento será a programação do Centro de Culturas Negras, antigo Centro Cultural Jabaquara.

De 21 a 26 de fevereiro, sempre às 16h, o local terá programações de classificação indicativa libre, todas com cerca de 1 hora de duração, e que serão transmitidas ao vivo, online, pelo Instagram @ccnegras

No dia 21, o evento é Estação Folia, com o Bloco de mesmo nome, que faz parte do dos blocos de rua da Prefeitura de São Paulo. Criado em 2018 em uma reunião de amigos amantes do samba, promove danças, músicas, adereços e energia em torno do folclore nacional. Apadrinhado pela Escola de Samba Vai Vai, possui sede própria no Ipiranga, com capacidade para receber até 600 pessoas.

Ainda no dia 21, 15h, e 22, 16h, haverá  Vivência de Samba no Pé Mayara Santos, que  vai oferecer suas esperiências dentro dos blocos de carnaval paulistano, com participação do DJ Diego.

NO dia 22, 15h, Quilombo Samba Show, que faz uma apresentação com valorização da cultura Afro Brasileira e para as raízes negras do Carnaval.

No dia 23, Fuzoê, 16h, em que a A Associação Bloco Fuzuê SP vai mostrar seu trabalho carnavalesco de raiz, que traz um “Fuzuê de alegria, descontração e profissionalismo”.

Dia 24, o evento é Batifundo, com o O G.R.M.R.C. Bate Fundo é uma manifestação cultural aplicada ao resgate e à preservação do samba brasileiro.

Dia 25, 16h, tem “Amigos do Samba da Laje, uma Reunião de amigos que confraternizam no carnaval de São Paulo a partir do samba da laje.

Tem ainda programação de reggae e carnaval feminista na Casa de Cultura Chico Science, Bagaceira com o Bloco Agora Vai no Teatro Santo Amaro e muito mais.

PROGRAMAÇÃO

  • Clique aqui para conhecer a programação completa dos projetos especiais para o Festival Tô Me Guardando.
  • Clique aqui para conhecer a programação completa das Casas de Cultura.
  • Clique aqui para saber o que vai rolar nos Centros Culturais e Teatros.
  • Clique aqui para ver a agenda das Bibliotecas Municipais.

Advertisement
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

© 2021 Jornal São Paulo Zona Sul - Todos os Direitos Reservados