Siga-nos

Gastronomia

Feira de orgânicos na Saúde agora acontece às quartas, pela manhã

Publicado

em

Em março de 2019, na avenida José Maria Whitaker, foi criada uma Feira Noturna de produtos Orgânicos, todas as quartas-feiras. A feira, que já vinha acontecendo desde o final de 2018 em caráter experimental, foi interrompida por uma obra física de requalificação do espaço, mas se tornou permanente em março.

Um ano depois, no entanto, com a chegada da quarentena e mais a época de chuvas, fizeram com que a feira fosse transferida para o período matinal, das 7h às 13h. Ainda não se sabe quando voltará a ser promovida no final da tarde e há quem aposte que permanecerá no período da manhã.

Entre os produtos vendidos, havia uma boa diversidade: caquis, avocados, morangos, ameixas, bananas, maçãs eram algumas das frutas. Entre os legumes, destaque para jilós, beringelas, batatas, cebolas de diferentes tipos, mandiocas, mandioquinha, cenoura, batata doce… E, mesmo com as recentes chuvas, havia boa diversidade de verduras, como rúcula, alface, escarola, espinafre… Tudo sem agrotóxicos, diretamente do produtor. Ovos de galinhas criadas soltas e alimentadas sem agrotóxicos também têm um estande.

A feira ainda se diferencia por oferecer alguns produtos como potes de temperos, molhos artesanais vendidos prontos, PANCs (Plantas Alimentícias Não Convencionais), farinhas produzidas também sem agrotóxicos, própolis e outros fitoterápicos, itens de limpeza biodegradáveis etc.

A área livre existente no encontro das avenidas José Maria Whitaker, Afonso Mariano Fagundes e Alameda dos Guatás, na divisa entre Planalto Paulista e Mirandópolis, é usada para promoção de feiras livres há mais de 20 anos.
Ali, há feiras tradicionais às terças, sextas e aos sábados, sempre no período matinal. Às quartas, agora, tem a feira de orgânicos.

Artesanato

Se as feiras livres continuam sendo promovidas normalmente durante a quarentena, ainda que com pontuais mudanças de horário, já não se pode dizer o mesmo das feiras de artesanato, que foram suspensas.

Em toda a capital, a venda de produtos não essenciais em feiras de artesanato continua proibida.
Embora aconteçam sempre em praças e parques, ao ar livre, esses eventos que costumam acontecer em periodicidade semanal, continuam suspensos.

Um exemplo é a feira de artesanato do Largo Nossa Senhora Aparecida, ou Largo de Moema. A Prefeitura liberou apenas a venda de produtos essenciais, ou seja, apenas alimentos…
A Prefeitura ainda não explicou porque produtos similares aos – como roupas, acessórios e outros itens, podem ser vendidos no comércio tradicional, shopping centers e até mesmo -por incrível e contraditório que pareça – no comércio ambulante, nas ruas,continua suspenso nas feirinhas.

Assim, os participantes dessas feiras que têm autorização para vender comida, podem voltar a trabalhar. Os demais, não. Já ambulantes em outras áreas podem… A confusão se arrasta desde o final de julho, quando foram autorizadas as retomadas de comércio ambulante, sem novas definições.

Também estão suspensos os projetos para implantar outras feiras de artesanato similares.
Na região da Vila Mariana, por exemplo, estava em debate a criação de uma nova Feira de Artesanato para ocupar o Largo Ana Rosa, que incluiria área de gastronomia, mas a ideia também fica adiada, por conta da pandemia.

Advertisement
3 Comentários

3 Comments

  1. Guilherme

    23 de agosto de 2020 at 7:56

    Bom dia
    Na verdade. A Feira da Av J M Whitaker fica no Planalto Paulista, não é Saúde

    • Jornal Zona Sul

      23 de agosto de 2020 at 15:44

      Guilherme, o Planalto Paulista é um bairro do distrito Saúde. Oficialmente, aliás, a cidade tem apenas distritos. Bairros são conceitos mais histórico-afetivos, sem limites geográficos oficiais

  2. Renato

    28 de agosto de 2020 at 22:03

    Boa noite….Tem feira de organicos no Jabaquara?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

© 2020 Jornal São Paulo Zona Sul - Todos os Direitos Reservados