Siga-nos

História

Estação Jabaquara é uma das campeãs em objetos perdidos no metrô

Publicado

em

Essa semana, a Central de Achados e Perdidos (CAP) do Metrô completou 46 anos de funcionamento. Atualmente, está localizada na estação Sé, mas quando foi criada, em 15 de junho de 1975, ficava na estação São Judas. Só este ano, entre janeiro e maio, a central recebeu 21.276 itens encontrados nas estações e trens das linhas 1-Azul, 2-Verde, 3-Vermelha, 4-Amarela e 15-Prata.

A estação Jabaquara do metrô, que se conecta a um terminal de ônibus metropolitano e outro intermunicipal, que se conecta à baixada santista. Vale destacar, entretanto, que o número de registros se refere unicamente ao metrô.As estações com a maior incidência de itens encontrados e levados à central são: Corinthians-Itaquera (2.574), Jabaquara (2.534) e Sé (2.362).

Mas, chama a atenção o baixo índice de pessoas que procuram e reencontram seus pertences: por enquanto, apenas 18% dos itens encontrados foram devolvidos a seus donos.

Entre os itens recebidos, se destacam os cartões magnéticos, de Bilhete Único, carteiras de habilitação (CNH), crachás e papéis diversos, peças de roupas e carteiras de identidade. Somente este último item é responsável por mais de 10% dos objetos entregues na central neste ano, com um total de 2.291 documentos.

Outra curiosidade divulgada pelo metrô: de todas identidades que chegaram ao Achados Perdidos, 22 são de pessoas com o nome Maria, bem como 21 em nome de José, 15 de Antônio, 13 de Lucas, 13 de Gabriel, 12 de Luiz/s, 11 de Guilherme, 11 de Ana, 10 de Francisco e 9 de João.

A Central de Achados e Perdidos do Metrô funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h, exceto feriados. Todos os objetos encontrados nas estações das linhas 1-Azul, 2-Verde, 3-Vermelha, 4-Amarela e 15-Prata são enviados para lá. A exceção é a Linha 5-Lilás, que tem sua própria central na estação Adolfo Pinheiro. Os objetos ficam guardados à disposição dos interessados por 60 dias. Os itens não procurados são encaminhados para o Fundo Social de Solidariedade do Estado de São Paulo e os documentos enviados para os respectivos órgãos emissores.

O passageiro que acredita ter perdido um objeto ou bem pessoal no Metrô pode fazer a consulta presencialmente na estação Sé ou pelo site www.metro.sp.gov.br. Há também a opção da consulta pelo telefone da Central de Informações do Metrô (0800-7707722 / ligação gratuita), que durante a pandemia atende diariamente das 8h às 20h.

Linha 5

A Linha 5 é a única do sistema metroviário a ter uma central exclusiva, localizada na Estação Adolfo Pinheiro. Objetos achados nas demais linhas de metrô de São Paulo são encaminhados para a Estação Sé, da Linha 3-Vermelha.

São, em média, 45 itens por dia útil deixados em trens ou estações da linha. Enquanto os demais itens têm taxa média de 12% de devolução, em torno de 80% dos celulares são recuperados. Isso porque, além de ter maior valor monetário, quem perde costuma ligar para o número ou os funcionários do setor ligam para algum contato da agenda quando o aparelho está com bateria e tem acesso sem senha.

Além dos celulares, o que as pessoas mais perdem na Linha 5 são Bilhete Único, BOM, cartões bancários, carteiras, documentos, chaves e óculos. Mas há também itens como dentadura, garrafas de uísque e carrinho de bebê.

A Central de Achados e Perdidos da Linha 5-Lilás funciona na estação Adolfo Pinheiro de segunda a sexta das 7h às 19h, exceto feriados. Central de Atendimento 0800 770 710.

Advertisement
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

© 2021 Jornal São Paulo Zona Sul - Todos os Direitos Reservados