Jornal São Paulo Zona Sul

Como reciclar lixo eletrônico durante a quarentena?

Um recorde de 53,6 milhões de toneladas métricas (Mt) de resíduos eletrônicos foi gerado em todo o mundo em 2019, o que representa um aumento de 21% em apenas cinco anos, de acordo com o Global E-waste Monitor 2020 das Nações Unidas, divulgado no início de julho. Dessa montanha de lixo eletrônico, apenas 17% foram reciclados, embora seja possível, em tese, atingir 100% de reciclagem.

O novo relatório também prevê que os resíduos eletrônicos globais – produtos descartados com bateria ou plugue – totalizarão 74 milhões de toneladas em 2030, quase dobrando em apenas 16 anos. Vale destacar que o mundo vem investindo em novas tecnologias, com aumento do consumo não só de aparelhos eletrônicos, mas de carros e bicicletas elétricas, entre outros itens de uso coletivo.

O lixo eletrônico é um dos resíduos que mais cresce no mundo. Apenas no ano passado, jogamos no lixo cerca de 40 milhões de toneladas, sem reciclagem.

O descarte incorreto de aparelhos eletroeletrônicos e pilhas pode trazer impactos negativos para o planeta e o ser humano. Por outro lado, a reciclagem de celulares, fones, impressoras, cabos, pilhas, carregadores, etc, permite o resgate e reutilização do plástico, vidro, cobre, prata, ouro, e muitos outros, além de dar a destinação correta e segura para materiais que não podem ser recuperados.

Uma pesquisa realizada pelo Centro de Tecnologia Mineral (Cetem) revelou que 85% dos entrevistados mantinham algum tipo de equipamento sem uso guardado em casa. Porém, como podemos fazer o descarte correto daqueles aparelhos que estão esquecidos em alguma gaveta?

De acordo com a Green Eletron, gestora sem fins lucrativos para a logística reversa de eletroeletrônicos e pilhas, há diferentes formas de evitar que essa montanha de material contaminante continue a crescer.
A primeira dica é separar os aparelhos elétricos e eletrônicos e não misturá-los aos materiais recicláveis (garrafas plásticas, embalagens, potes de vidro, etc) e do lixo orgânico. Cada um deles possui uma destinação específica para facilitar o processo de reciclagem.

Os Pontos de Entrega Voluntária (PEVs) de eletroeletrônicos são instalados na maioria das vezes em supermercados, shoppings, parques e muito provavelmente terá um perto da sua casa ou do trabalho. Alguns podem ainda estar fechados por causa da quarentena.

Por isso, o essencial agora é fazer a separação e deixar reservado em algum ponto da sua casa para que você possa descartá-los após a quarentena. Os produtos não têm nenhum cheiro e não são perigosos. O que não pode é jogar no lixo comum!

Como descartar

Ao descartar eletroeletrônicos, não desmonte os produtos. Se o aparelho tiver bateria de lítio, como em celulares, notebook, etc, deixe-a dentro do produto.

Para as pilhas comuns, basta descartá-las soltas ou em uma sacola de plástico em qualquer ponto de coleta de pilhas ou até mesmo de eletrônicos, que também são equipados para recebê-las.

Com a tecnologia, o processo de identificar o coletor para o descarte de eletroeletrônicos, pilhas e baterias ficou mais fácil. A Green Eletron disponibiliza em seu site todos os Pontos de Entrega Voluntária (PEVs) e os classifica por proximidade do endereço inserido por cada pessoa que faz a busca. Basta acessar: /greeneletron.org.br/localizador

O site também traz a lista completa do que pode ser descartado nesses pontos. Inclui os mais diversos itens,como panelas de arroz, televisores, modems e periféricos de computação em geral, aparelhos de cozinha (batedeiras, liquidificadores, geladeiras), de lavanderia ou de higiene/beleza pessoal (depiladores, barbeadores, secadores de cabelo…). Para conferir a lista completa, basta acessar: greeneletron.org.br/lista-completa.

Neste momento a prioridade é se proteger, mas também podemos ajudar o meio ambiente ao separar agora os produtos para reciclar depois.

Comentar

WhatsApp chat Receba as edições por WhatsApp!