Siga-nos

Cultura

Cinemateca será administrada por Sociedade Amigos

Publicado

em

cinemateca matadouro vila mariana

Sociedade Amigos da Cinemateca venceu chamamento público pelo Governo Federal. Contrato deve ser assinado em dezembro

Um primeiro e importante passo foi dado, mas certamente o caminho será repleto de obstáculos e dificuldades.  A Secretaria Nacional do Audiovisual (SNAV/SECULT/MTUR) divulgou, no último dia 18, o resultado preliminar do Edital de Chamamento Público nº 01/2021, para seleção de pessoa jurídica de direito privado sem fins lucrativos para gestão da Cinemateca Brasileira.

Concorreram na seleção: Cristina Vaz Duarte Da Cruz (pessoa física); o Centro de Gestão e Controle – CEGECON (Organização Social) e a Sociedade Amigos da Cinemateca (OSCIP). Os dois primeiros foram desclassificados por não atenderem requisitos do Edital.

A SAC obteve pontuação máxima nos critérios de avaliação:

  • Convergência entre as finalidades da entidade e as atividades previstas no Edital (1 ponto)
  • Capacidade técnica da entidade (2 pontos)
  • Capacidade de geração e captação de receitas (5 pontos)
  • Convergência entre o programa de trabalho e as atividades previstas no Edital (2 pontos)

O resultado definitivo deverá ser publicado após a fase recursal. A previsão é que o Contrato de Gestão, com vigência de 5 anos, seja assinado em dezembro.

Contrato

A expectativa da Secretaria Especial da Cultura é que o contrato seja celebrado em dezembro de 2021, com o repasse de R$ 7 milhões no ato de assinatura. A partir do exercício de 2022, o orçamento previsto para a Cinemateca será de R$ 14 milhões anuais, dos quais R$ 7 milhões serão repassados até maio de cada exercício e mais R$ 7 milhões serão repassados até outubro de cada exercício.

A Cinemateca foi reabsorvida pelo Ministério do Turismo, à qual a Secretaria Especial da Cultura está vinculada, em agosto de 2020, após um  impasse na gestão da Cinemateca na metade do ano passado após a saída da Associação de Comunicação Educativa Roquette Pinto (Acerp), que fazia a gestão da entidade.

A definição de que seria contratada uma organização social (OS) para assumir as atividades de guarda, preservação, documentação e difusão do acervo audiovisual da Cinemateca foi definida em uma portaria interministerial em junho, quando se decidiu que o novo gestor da Cinemateca Brasileira seria escolhido por meio de um chamamento público.

O acervo da Cinemateca é o maior da América Latina, com aproximadamente 240 mil rolos de filme, 41 mil títulos diferentes e 1 milhão de itens não fílmicos (como pôsteres, roteiros e outros). No final de julho, um incêndio atingiu um galpão  da Cinemateca onde ficava guardada parte deste acervo.

Sobre a SAC

A Sociedade Amigos da Cinemateca (SAC), criada em 1962, é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público que tem como missão apoiar e fomentar o funcionamento da Cinemateca Brasileira de forma a contribuir para a defesa, conservação e promoção de seu acervo cinematográfico e audiovisual, de elevada relevância para o fortalecimento e desenvolvimento do patrimônio histórico, cultural e artístico nacional.

Nas últimas seis décadas, a SAC tem desenvolvido projetos relacionados à infraestrutura da Cinemateca, enquanto equipamento cultural e museológico; à preservação de suas coleções fílmicas e documentais; e à difusão técnica e cultural no campo do audiovisual.

Futuro

A SAC é presidida pelo  professor Carlos Augusto Calil, da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP.

Em recentes entrevistas ao Jornal da Usp, Calil tem feito afirmações de que é possível recuperar a Cinemateca e que sua reabertura é urgente. Mas é realista quanto ao futuro

“A Cinemateca Brasileira está em coma, sobrevivendo por aparelhos.”, disse.

Para ele, a reabertura imediata é apenas uma medida emergencial, assim como a contratação de uma organização social para geri-la também não é a solução de todos os problemas.

O presidente da SAC apontou que, para a instituição se fortalecer, é preciso recompor seu regimento interno, reabrir concursos para os quadros permanentes, restabelecer vínculos com a área patrimonial, recriar o Conselho Consultivo e insistir em um modelo de gestão com governança compartilhada entre o poder público e a sociedade civil.

“No médio prazo”, considera Calil, “a Cinemateca precisa retomar sua autonomia operacional e política, assegurada pelas salvaguardas fixadas na escritura de doação de seu acervo ao governo federal em 1984.”

Advertisement
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

© 2022 Jornal São Paulo Zona Sul - Todos os Direitos Reservados