Jornal São Paulo Zona Sul

Ciclovia da Domingos de Morais ainda não tem conexão com Jabaquara

As obras da Ciclovia Domingos de Morais estão bem avançadas e, em vários trechos, já é possível ver ciclistas usando as pistas no canteiro central da via. Mas, a previsão de conclusão para 31 de julho não se efetivou e ainda há obras ao longo da via, entre a Avenida Lins de Vasconcelos e a região da estação Santa Cruz do metrô.

Outra coisa vem chamando a atenção de cicloativistas que há tempos reivindicam a conclusão da obra: entre a Rua Pedro de Toledo e a Alameda das Boninas, onde a ciclovia deveria se encontrar com a pista já existente da chamada Ciclovia Jabaquara, não há sinal de obras – nem para fazer uma pista segregada, ou seja, separada e protegida da pista para veículos automotores,-nem para pista apenas sinalizada no solo.

Procurada, a Companhia de Engenharia de Tráfego informou que os prazos e características de implantação do projeto, nesse momento, cabem ao executor, ou seja, o Colégio Marista Arquidiocesano. A obra vem sendo executada pelo colégio, com projeto aprovado e acompanhado pelos técnicos da Prefeitura, por conta de legislação que exige de pólos geradores de tráfego que ofereçam contrapartidas à fluidez e projetos viários na cidade. No caso, o Colégio, que tem cerca de 3 mil alunos e impacta o trânsito local, ficou responsável pelos custos de implantação da ciclovia.

A Ciclovia da Domingos de Morais está projetada há anos, mas por conta das obras de expansão da linha 5 – Lilás, do metrô, precisou ser adiada. Isso porque o canteiro do metrô ocupou parte das pistas na via, estreitando-a e impedindo a construção de ciclovia segregada.

Depois, houve demora na aprovação do projeto, que precisou ser readequado e só no início desse ano passou a ser executado, com previsão de conclusão em 100 dias.

Pandemia e chuvas em março podem ter atrasado a obra, mas o jornal São Paulo Zona Sul, a pedido de leitores, vem acompanhando a execução e questionando detalhes como características da ciclovia no trecho em frente ao próprio Colégio Marista e dali até a Alameda das Boninas.

No início de julho, o Colégio havia informado que a obra se concentrava apenas entre a Lins de Vasconcelos e Rua Sena Madureira. Mas não explicou como os demais trechos serão traçados para fazer a interligação.
“A obra se concentra entre a Av. Lins de Vasconcellos e a Rua Sena Madureira, portanto não haverá intervenções no canteiro em frente ao Shopping Santa Cruz. Nenhuma espécie de árvore será retirada”, apontava a nota enviada pelo Colégio.

O Arquidiocesano também informou que a CET estaria acompanhando a implantação da faixa de rolamento da ciclovia na largura prevista.

Paralelamente, já foi retomada a Ciclofaixa de Lazer, em 19 de julho e o Corredor Domingos de Morais, Jabaquara, Vergueiro, onde há obras da nova ciclovia, está incluído no trajeto.

Plano Cicloviário

O novo Plano Cicloviário da cidade de São Paulo prevê 173 quilômetros de novas conexões (integração da malha) e 310 quilômetros de reformas e melhorias em estruturas já existentes, sendo que 41 já foram entregues e outros 92 estão em obras, segundo a Prefeitura, mas muitos ativistas e ciclistas duvidam que a meta será atingida.

Entre as promessas, há novas pistas exclusivas para bikes previstas na rua Luís Góis, corredor formado pelas avenidas Prof. Abraão de Moraes/Ricardo Jafet, além de conexão da Avenida Bosque da Saúde com a ciclofaixa da Avenida Jabaquara.

Comentar