Jornal São Paulo Zona Sul

Carnaval mobiliza mais de cinco mil profissionais da limpeza na cidade

Se no aniversário de São Paulo foram recolhidas 18 toneladas de resíduos deixadas nas ruas após os shows e eventos em homenagem à cidade, dá para imaginar como ficam as áreas por onde passam os blocos de Carnaval?

A Vila Mariana, na zona sul da capital, é uma das áreas que mais concentra programação, com quase 50 blocos carnavalescos, e que portanto também poderia enfrentar os resultados da folia.

Especialmente em tempos de chuvas fortes, em que a sujeira pode ser rapidamente levada para os bueiros e galerias, o objetivo da Prefeitura foi agilizar esse processo de limpeza, reduzindo também outros transtornos para a população.

A Autoridade Municipal de Limpeza Urbana (Amlurb) desenvolveu um plano completo para garantir a limpeza para o Carnaval 2020.

Em toda a cidade, quase 5 mil funcionários estão atuando, entre coletores, varredores, motoristas e ajudantes de serviços.

Pelo segundo ano consecutivo, a autarquia enviará 100% dos resíduos coletados durante a varrição para as duas Centrais Mecanizadas de Triagem da Prefeitura, a fim de reciclar o máximo possível. Uma delas é a Central Mecaniza de Triagem – CMT Carolina Maria de Jesus, que fica em Santo Amaro, na zona sul da capital e é operada pela concessionária Ecourbis Ambiental.

A EcoUrbis implanta contêineres nos pontos de concentração e dispersão dos blocos de carnaval que desfilam nas zonas sul e leste, para que os foliões descartem os seus materiais recicláveis (latinhas, garrfas de água, etc.) que depois são recolhidos e levados para a CMT.

Uma frota de 626 veículos, entre caminhões compactadores, veículos de lavagem e varredeiras mecanizadas também estão pelas ruas nos três finais de semana da folia. Para o descarte correto durante os eventos, os foliões contarão com um total de 5.858 equipamentos, entre Pontos de Entrega Voluntária (PEVs), cestos aramados, papeleiras e contêineres (vidro, papel, metal e plástico).

“A operação de limpeza do Carnaval de Rua e Sambódromo é sempre uma grande festa. Nós preparamos tudo pensando no bem estar dos foliões que querem curtir toda a programação, assim como os trabalhadores que precisam das vias liberadas no dia seguinte. É gratificante ver a limpeza pós bloco, parece mágica, mas se trata de uma mega operação da organização do Carnaval”, comenta Edson Tomaz de Lima Filho – Presidente da Amlurb.

Segundo a Secretaria Municipal de Cultura, a cidade deve atrair cerca de 15 milhões de pessoas, entre 678 blocos e 717 desfiles. Houve investimento extra nos serviços de instalação de cestos aramados, PEV’s, lavagem das vias, varrição, coleta e destinação dos resíduos de vias públicas e sambódromo.

Na última edição do carnaval, a Amlurb recolheu cerca de 916 toneladas de resíduos, entre os dias 23 de fevereiro e 10 março de 2019, somando os desfiles de rua e Sambódromo do Anhembi. Foram reciclados aproximadamente 50% do total recolhido, ou seja, 458 toneladas. A expectativa para esse ano é de um aumento de 5% no volume.

Campanha Educativa

A fim de incentivar o descarte correto dos materiais recicláveis durante os blocos de rua e ajudar a produzir um carnaval mais consciente, foram instalados 247 Pontos de Entrega Voluntária (PEV’s) na cidade com frases educativas inspiradas em famosas marchinhas de carnaval: “Eí, você aí, joga o seu reciclável aqui!”, “Ó abre alas, que minha latinha vou reciclar!” e “Alô Folião! Embalagem no chão, não!”

Durante o primeiro fim de semana de Pré Carnaval, foram coletadas 205,1 toneladas de resíduos, em torno de 27 subprefeituras.

Comentar