Siga-nos

#VacinaçãoCovid

Calendário da dose de reforço gera dúvida em idosos

Publicado

em

O Governador João Doria apresentou nesta quarta-feira (1) o calendário de aplicação da dose adicional de vacinas contra COVID-19 nos idosos e adultos imunossuprimidos, que começam a receber o imunizante na próxima segunda-feira (6). Ao todo, 7,2 milhões de pessoas poderão ter a dose de reforço no decorrer da campanha. Mas, apenas 1 milhão vão receber a terceira dose já nesta primeira fase que vai até 10 de outubro e é aí que mora a confusão.

O calendário mostrado pelo governo (imagem abaixo) destaca a data conforme faixa etária. Só que essa agenda só vale se a pessoa já tiver tomado a segunda dose há mais de seis meses, ou seja, em fevereiro ou março. Acontece que em fevereiro e até 15 de março, o governo só atendeu, com primeira dose, pessoas acima de 75 anos.

Assim, por exemplo, a data de 4 a 10 de outubro para quem tem a partir de 60 anos só vai atingir profissionais de saúde e segurança que porventura tenham recebido a primeira dose em início de abril e da Coronavac, que tem intervalo menor entre primeira e segunda dose.

O público em geral com 60 anos só foi admitido no Plano Estadual de Imunização em 6 de maio. Caso tenham recebido a Coronavac e recebido a segunda dose em início de junho, só poderão receber a dose de reforço no início de dezembro e não em outubro como mostra o cronograma divulgado pelo Governo.

No site vacinaja.sp.gov.br, entretanto, o cronograma é apresentado sem a ressalva de que só é válido para os casos de pessoas que receberam a segunda dose há mais de seis meses.

Mesmo nos públicos mais idosos, ainda é importante observar que algumas pessoas que receberam a primeira dose em início de março, caso tenham sido imunizadas com a Astrazeneca, só receberam a segunda dose em maio, já que o intervalo nesse caso é maior, de três meses. Assim, pessoas de 80 anos, que no cronograma são indicadas como aptas a receber a terceira dose em 20 de setembro, na verdade só poderão ser imunizadas em final de novembro!

Essa regra explica a discrepância entre o público total previsto para receber a terceira dose – 7,1 milhão de pessoas – e aquele que realmente vai estar apto a receber o reforço nesse cronograma, até 10 de outubro – 1 milhão de pessoas.

Vale destacar, ainda, que a Prefeitura paulistana ainda não confirmou seu cronograma para a aplicação da terceira dose, que deveria ter início na próxima segunda, 6 de setembro, junto com a vacinação de adolescentes a partir de 12 anos.

Imunossuprimidos: 28 dias depois da segunda dose

Serão também imunizados com terceira dose os imunossuprimidos, a partir de 18 anos. São pacientes em tratamento de hemodiálise, quimioterapia, Aids, transplantados, entre outras pessoas em alto grau de imunossupressão.

Neste caso, a dose adicional será aplicada pelo menos 28 dias após a data da conclusão do esquema vacinal, seja pela segunda dose (Coronavac, Astrazeneca ou Pfizer) ou por dose única (Janssen). Juntos, estes grupos totalizam 280 mil pessoas.

Advertisement
2 Comentários

2 Comments

  1. Sebastião

    7 de setembro de 2021 at 10:37

    Eu tenho 70 anos e tomei a segunda dose da Coronavac dia 16/04/2021 então segundo meu entendiamento só poderei tomar a dose de reforço a partir de 16/10/2021 é isso? E apartir disso terei a vacina disponivel a qualquer momento?

    • Jornal Zona Sul

      7 de setembro de 2021 at 21:08

      Sim, Sebastião, é isso mesmo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

© 2021 Jornal São Paulo Zona Sul - Todos os Direitos Reservados