Siga-nos

Ecourbis

Brasil é recordista na reciclagem de latinhas

Publicado

em

O Brasil é um dos campeões mundiais em reciclagem de alumínio. E, no ano passado, o país bateu seus próprios recordes e atingiu o maior índice de reciclagem de latas de alumínio para bebidas: 98,7% em 2021.

Mas, por que o Brasil é esse sucesso na coleta de latinhas de alumínio e não repete resultados semelhantes na reciclagem de outros itens como o plástico, o vidro e o papel?

Uma conjunção de fatores explica o sucesso. Um dos principais fatores é o valor pago pelo quilo do alumínio, que incentiva o trabalho dos catadores, sejam eles independentes ou ligados a cooperativas.

Quantas vezes você já viu um catador buscando latinhas em papeleiras pelas ruas ou solicitando em mesinhas nas calçadas de bares e restaurantes para que clientes doassem as latinhas já vazias?

Em casa, você já separa o alumínio e outros recicláveis? Se sim, lembre-se apenas de não contaminá-los misturando com lixo comum, comida gordurosa nem jogando cinzas de cigarro nas latinhas, o que impede a reciclagem.

Vale ainda lembrar que basta juntar todos os itens feitos de materiais recicláveis e limpos – vidro, papel, plástico e metais em geral – em um único saco a ser enviado para as centrais de triagem e cooperativas de reciclagem por meio da coleta seletiva.

Para saber a data e horário em que esses serviços são prestados em sua rua, basta acessar: www.ecourbis.com.br/coleta/index.html

Números

O bom resultado da reciclagem de latinhas de bebida de alumínio consta em documento entregue ao Ministério do Meio Ambiente em 31 de março, contemplando o trabalho realizado pela Associação Brasileira do Alumínio (ABAL) e pela Associação Brasileira dos Fabricantes de Latas de Alumínio (Abralatas), consolidado no primeiro relatório anual de desempenho da Recicla Latas, entidade gestora do Termo de Compromisso para Aperfeiçoamento do Sistema de Logística Reversa das Latas de Alumínio para Bebidas.

De um total de 33,4 bilhões de latas de alumínio comercializadas no mercado interno, 33 bilhões foram recicladas. O expressivo resultado representa um crescimento de 1,4 ponto percentual em relação ao patamar de 2020, confirmando o Brasil entre os países campeões mundiais na coleta e reciclagem desse tipo de embalagem. Além disso, o índice supera os 95% estabelecidos no Termo de Compromisso de Latas firmado pela indústria junto ao Ministério do Meio Ambiente, em 2020.

“Há mais de dez anos o índice de reciclagem de latas de alumínio se encontra em patamares superiores a 96%. O Brasil é benchmark no setor para o mundo, graças aos esforços e investimentos da indústria do alumínio na modernização do setor e de ampliação dos centros de coleta e reciclagem”, destaca Janaina Donas, presidente-executiva da ABAL. “A despeito das dificuldades impostas pela pandemia, a cadeia de reciclagem de latas de alumínio continuou operando com a eficiência costumeira, entregando um resultado que gera valor ambiental, econômico e social”.

O sucesso da reciclagem de latas é resultado de um ecossistema de logística reversa sólido e estruturado de ponta a ponta. Hoje, por exemplo, o Brasil possui 36 centros de coleta de sucata distribuídos por 18 estados.

“Além dos impactos positivos no âmbito socioambiental proporcionados em matéria de gestão de recursos e redução de emissões, a manutenção do alto índice de reciclagem deve-se, em grande parte, a uma cadeia estruturada e sólida, a partir da cooperação mútua entre empresas, sociedade e cooperativas de catadores”, diz Alfredo Veiga, coordenador do Comitê de Mercado de Reciclagem da ABAL.

Advertisement
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

© 2022 Jornal São Paulo Zona Sul - Todos os Direitos Reservados