Jornal São Paulo Zona Sul

Agressões a mulheres podem ser denunciadas pelo 180

O Jornal SP Zona Sul mostrou, na edição passada, que a região conta com serviços de atendimento e orientação à mulher vítima de violência e assédio, com serviços de delegacia da mulher e casa de apoio municipal, sempre com serviços universais e gratuitos.

Outro serviço que vem crescendo muito e se mostrando uma opção para a mulher que tem pouca coragem de fazer denúncias ou até mesmo para que outras pessoas possam denunciar a violência vivida por mulheres próximas e conhecidas é a Central de Atendimento à Mulher, mais conhecida como Ligue 180.

Só no ano passado, a central atendeu mais de 1,1 milhão de denúncias, o que representa um crescimento de 51% superior ao registrado no ano de 2015. Isto não significa, necessariamente, um aumento do número de agressões, mas sim que mais pessoas estão criando coragem e conhecendo a possibilidade de registrar denúncias por telefone.

De acordo com balanço divulgado pela Secretaria de Política para Mulheres, dos atendimentos realizados em 2016, 53,69% corresponderam à prestação de informações; 24,01% (272.149) a encaminhamentos para outros serviços como: Policia Militar (190), Polícia Civil (197) e o Disque 100, da Secretaria Especial de Direitos Humanos.

Outros 12,38% (140.350) corresponderam a relatos de violência. Dentre eles, 50,70% diziam respeito à violência física; 31,80%, violência psicológica; 6,01%, violência moral; 1,86%, violência patrimonial; 5,05%, violência sexual; 4,35%, cárcere privado; e 0,23%, tráfico de pessoas.

Em 65,91% dos casos, as violências foram cometidas por homens com quem as vítimas têm ou tiveram algum vínculo afetivo: atuais ou ex-companheiros, cônjuges, namorados ou amantes das vítimas.

Como funciona

O Ligue 180 é um serviço de utilidade pública gratuito e confidencial (preserva o anonimato) oferecido pela Secretaria Nacional de Políticas para as Mulheres do Ministério dos Direitos Humanos. A Central recebe denúncias de violência, reclamações sobre serviços da rede de atendimento à mulher e orienta as mulheres sobre seus direitos e sobre a legislação vigente.

Comentar

WhatsApp chat Receba as edições por WhatsApp!