Jornal São Paulo Zona Sul

Zona Sudeste tem baixa adesão à vacina contra febre amarela

Se nos primeiros dias, a procura pela vacina da febre amarela provocou corrida aos postos e filas de até doze horas de duração, agora a Secretaria Municipal de Saúde está insistindo para que as pessoas que ainda não o fizeram busquem imunização

De acordo com a pasta, distritos como Saúde, Vila Mariana e Jabaquara estão entre os que apresentam baixa adesão à vacina. A vacinação na região sudeste da cidade atingiu apenas 33,7% do público alvo, ficando ligeiramente acima da zona leste, onde somente  32% buscou imunização. O índice é ainda mais baixo no Centro da capital, com 13,4% de cobertura, devido ao fato de ter sido a última região a receber a campanha de vacinação.

Em regiões que iniciaram a vacinação em dezembro do ano passado, o índice é um pouco mais significativo. Na Oeste, pouco mais da metade da população, ou 50,6%, recebeu a dose contra a doença.

“É de extrema importância que todos aqueles que ainda não receberam a vacina procurem um posto para ser imunizado. Sabemos que há muito boato sobre a eficácia da dose, mas é preciso deixar claro que essa é uma vacina extremamente segura e a nossa melhor arma para impedir a expansão da febre amarela”, esclareceu Wilson Pollara, secretário municipal da saúde.

A meta da SMS é imunizar 95% da população ainda neste primeiro semestre. Para isso, a ação preventiva contra a febre amarela foi ampliada para toda a capital desde a última segunda-feira (19) e segue até 30 de maio.

Quem ainda não se vacinou pode procurar a Unidade Básica de Saúde (UBS) de referência mais próxima de casa. Para consultar o local, basta acessar o Busca Saúde. O usuário deverá apresentar documento de identidade e, se possível, cartão SUS e de vacinas.

A SMS reforça que a vacina contra a febre amarela não é indicada para crianças menores de nove meses de idade, gestantes, mulheres amamentando crianças com até 6 meses e pacientes com imunodepressão de qualquer natureza, com neoplasia (câncer), com HIV, em tratamento com drogas imunossupressoras (corticosteroides, quimioterapia, radioterapia, imunomoduladores) e submetidos a transplante de órgãos. Em caso de dúvida, é importante consultar o médico.

Nesse fim de semana, haverá mutirão de imunização na capital.

Comentar

Teste

WhatsApp chat Receba as edições por WhatsApp!