Jornal São Paulo Zona Sul

Nova estação São Paulo Morumbi vai funcionar em horário estendido no domingo

Foi inaugurada no último sábado, 27 de outubro, a Estação São Paulo-Morumbi da Linha 4-Amarela do Metrô. Inicialmente, a parada funciona em operação assistida, diariamente, das 10h às 15h. Mas, no próximo domingo, quando haverá jogo no estádio, o horário será estendido – das 10h às 21h. No dia 4, o São Paulo Futebol Clube enfrenta o Flamengo, pela 32a rodada do Campeonato Brasileiro com início da partida agendado para 17h.

A nova estação amplia em 2,4 km a linha 4-Amarela e fica localizada a 1,5 km a pé do Estádio do Morumbi, o que vai facilitar o acesso de torcedores em dias de jogos e trazer melhorias ao trânsito local.

Com a entrega da estação, a capital paulista passa a contar com uma rede de 96 quilômetros de metrô e 84 estações. A Linha 4-Amarela, que é operada pela concessionária ViaQuatro, passará a ter 11,3 km de extensão e 10 estações entre Luz e São Paulo-Morumbi.

Construída pela Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô), a nova estação deve receber 27 mil passageiros por dia. A entrada principal da São Paulo-Morumbi fica na Avenida Professor Francisco Morato, esquina com a Avenida Deputado Jacob Zveibil, atendendo a demanda de quem vem das zonas sul e oeste da cidade.

A estação terá um terminal de ônibus anexo, que deverá entrar em funcionamento na primeira quinzena de dezembro.

O acesso secundário ficará também na Avenida Francisco Morato, esquina com a Avenida Jorge João Saad, e essa é a saída que deve ser usada para acessar o Estádio – por enquanto apenas a pé, já que o terminal de ônibus interligado não foi concluído.

A estação é totalmente acessível aos usuários com deficiência e mobilidade reduzida e dispõe de banheiros públicos. Ela foi dividida em cinco pavimentos totalmente interligados através de 13 escadas rolantes, 11 escadas fixas e quatro elevadores. Também foram instaladas as portas de plataforma e outros equipamentos que facilitam a acessibilidade, como piso podotátil direcional, corrimãos e fita antiderrapante nos degraus das escadas fixas.

O acabamento da estação é parecido aos das demais da Linha 4-Amarela. Um revestimento metálico com desenhos de ondas dá um ar de modernidade nas extremidades das plataformas. Já o mezanino e as escadas têm piso em porcelanato e contam com guarda-corpo em vidro laminado, permitindo um visual mais leve.

Com um total de 27,7 metros de profundidade, na obra da estação foram utilizados dois métodos construtivos. O corpo foi feito através de uma tuneladora Shield (conhecida como tatuzão) que construiu os túneis da linha e complementado pelo método NATM (túnel mineiro). São 13,2 mil m² de área construída, que compreende todo o corpo da estação, duas plataformas laterais, mezanino e os dois acessos externos.

Linha 4-Amarela

Projetada para ser implantada em diferentes fases, a Linha 4-Amarela está em operação desde 2010 e desde então já transportou mais de 1,3 bilhão de pessoas. A linha permite a conexão com seis linhas da rede sobre trilhos de São Paulo, em quatro estações diferentes. Por ela passam em média 750 mil pessoas por dia útil.

A segunda fase de implantação da linha consiste na construção das estações Fradique Coutinho (aberta em 2014), Higienópolis-Mackenzie, Oscar Freire (abertas em 2018), São Paulo-Morumbi e Vila Sônia, além do terminal de ônibus Vila Sônia, um túnel de 1,5 km para chegada a esta última estação.

Também está incluso neste projeto a complementação do Pátio de Manutenção da Vila Sônia, além da compra e instalação das portas de plataforma, e dos sistemas de alimentação elétrica, auxiliares e de telecomunicações. Toda esta etapa tem o valor orçado em R$ 1,9 bilhão.

As obras desta fase prosseguem e a estação Vila Sônia, a última desta etapa, está prometida para dezembro de 2019. Quando estiver completa, a Linha 4 terá 12,8 km de extensão operacional e deverá transportar 893 mil pessoas por dia.

Comentar

Teste

WhatsApp chat Receba as edições por WhatsApp!