Jornal São Paulo Zona Sul

Vila Clementino retoma projeto Bairro Amigo do Idoso

Bairro Amigo do Idoso: a ideia já tem uma década, mas há ainda muito a avançar e conquistar. Como o nome sugere, o projeto tem um grande desafio: tornar a Vila Clementino um bairro de referência em atendimento, mobilidade, acessibilidade, serviços, lazer, cultura e edução para o público acima de 60 anos
Mas, essa semana, Subprefeitura de Vila Mariana e Unifesp promoveram um encontro em que foi criado um Comitê para acelerar as ações em busca dessas metas. Vale lembrar que a população brasileira está envelhecendo e que as pessoas acima de 60 anos estão, cada vez mais, conquistando saúde e qualidade de vida, sobretudo por conta de avanços tecnológicos e também por políticas de inserção social. Assim, os futuros idosos estarão mais exigentes e em busca de mais atividades e recursos.

Além da Subprefeitura e da Unifesp, fazem parte do comitê as secretarias municipais de Direitos Humanos e Cidadania – por meio da Coordenação de Políticas para Pessoas Idosas -, Saúde, Esportes, Transportes e Assistência e Desenvolvimento Social, além da Câmara dos Vereadores de São Paulo, por meio dos vereadores Gilberto Natalini (titular) e Mario Covas Neto (suplente), e o Grande Conselho Municipal do Idoso.

O comitê tem como objetivo promover ações regionalizadas para dar efetividade ao Programa São Paulo Amigo do Idoso e ao Selo do Amigo do Idoso, instituídos pelo Decreto Estadual nº 58.407, de 15 de maio de 2012.

“Precisamos incentivar o uso dos espaços públicos também pelos idosos. Temos de pensar em políticas de acessibilidade e em atividades que estimulem a ocupação da cidade pelas pessoas mais velhas”, afirma o subprefeito da Vila Mariana, Fabricio Cobra Arbex.
O bairro da Vila Clementino, no distrito da Vila Mariana, foi escolhido por ter um contingente proporcionalmente elevado de pessoas idosas e é também onde está localizada a Escola Paulista de Medicina/Unifesp, centro de referência em ações voltadas à população idosa, com relevante experiência no atendimento médico deste segmento demográfico.

De acordo com o vereador Gilberto Natalini, o objetivo geral do projeto é criar redes integradas de atenção à pessoa idosa de serviços de saúde, sociais, educação, lazer e cultura, além dos serviços de zeladoria como é o caso das calçadas acessíveis e permeáveis.

Ele ainda relata que o projeto começou a ser implantado no bairro em 2011, teve avanços como melhoria nas calçadas, calçadas elevadas nos pontos de ônibus, reforma do entorno da Cinemateca Brasileira, com programação de filmes para idosos, implantação de academias ao ar livre nas praças e parques, além de atendimento de saúde aos idosos do bairro. “Em 2013 o projeto parou e agora felizmente com o apoio de todos está sendo retomado”, relembra Natalini. “O mundo está envelhecendo e políticas públicas voltadas aos idosos é cada dia mais indispensável”, concluiu.

1 comentário

  • Quanto à Cinemateca, um maravilhoso espaço com otimos eventos artisticos, culturais e gastronômicos, faço uma observação já wue estamos pensando em melhores condições para os idosos: estive nesse domingo lá onde houve representação de grupos de dança grega, artesanato e comidas típicas. Um espaço ótimo só que, para pessoas idosas como eu, por exemplo, vom 80 anos, não havia bancos
    nem cadeiras para sentarmos, s nso ser na praça de alimentação. À noite haveria exibição de filme no telão. Seria assistido também em pé. É uma questão a ser pensada também, concordam?

WhatsApp chat Receba as edições por WhatsApp!