Jornal São Paulo Zona Sul

Unifesp recebe R$ 3 milhões para combate à Covid-19

Uma parceria entre quinze universidades federais do país, incluindo a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), viabilizará o aporte de R$3.138.341,13 para emprego na realização de testes diagnósticos de Covid-19 na população brasileira. Assinado pelo vice-reitor, em exercício da Reitoria, Nelson Sass, o projeto é coordenado pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), administrado pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), e apoiado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTIC) e pela Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa (Fundep).

De acordo com Nancy Bellei, professora afiliada e médica infectologista da Escola Paulista de Medicina (EPM/Unifesp), a parceria envolve instituições que possuem expertise e podem fornecer a contrapartida necessária à sociedade por meio do trabalho de pesquisadores e técnicos da universidade, ampliação das testagens para Covid-19 e coordenação com demais serviços de saúde do país.

“A verba original, de R$35 milhões, foi distribuída entre as universidades envolvidas no acordo. Entre as ações propostas pela Unifesp, está a realização de até 500 testes por dia, um trabalho que demandará a estrutura do laboratório central do Hospital São Paulo (HSP/HU/Unifesp) e o de Virologia da Disciplina de Infectologia (EPM/Unifesp). A liberação total do valor será feita ao longo de até dois anos, prazo de validade do projeto, e poderemos então ter construído essa rede com as demais universidades, atendendo à necessidade da população brasileira”, comemora.

Testes a um custo menor

De acordo com a infectologista, o documento da parceria possui uma emenda que prevê pesquisa aplicada sobre a detecção molecular de Covid-19 por meio da saliva. “O MCTIC fornecerá permanentemente o equipamento que realiza essa modalidade de teste às universidades que se dispuseram a efetuar esse estudo, abrindo a possibilidade de ampliação do parque de equipamentos da instituição – uma possibilidade comemorada por Antonia Machado, Diretora Técnica do Laboratório Central do Hospital São Paulo”, conta.

Trata-se de um método diagnóstico de baixo custo, pois não depende de reagentes, hoje todos importados. A detecção do vírus é feita com Inteligência Articifial (IA), por meio de sensores biofotôticos que ampliam a eficiência do diagnóstico. Os resultados serão comparados com os obtidos através da técnica de RT-PCR, afim de avaliar a eficiência do novo método.

A detecção de coronavírus por meio da saliva, de acordo com Bellei, é rápida e sua sensibilidade gira em torno de 80%. “Poderemos diagnosticar pacientes a um baixo custo e mostraremos, assim, que o papel das universidades públicas é decisivo para o desenvolvimento e aplicação de recursos nacionais no enfrentamento da pandemia”, finaliza..

Por Valquíria Carnaúba – Unifesp

Comentar