Siga-nos

#VacinaçãoCovid

Terceira dose deve ser aplicada seis meses depois

Publicado

em

vacina covid

Pessoas com 60 anos ou mais vão receber uma terceira dose – ou dose de reforço – de vacina contra Covid 19 a partir do dia 6 de setembro. O anúncio foi feito essa semana pelo Governo do Estado.  Mas, vale destacar que só poderão se vacinar aqueles que aplicaram a segunda dose há mais de seis meses, ou seja, a distribuição do público vai acontecer de forma paulatina conforme o tipo de vacina e a data em que foi aplicada.

Isso significa, portanto, que só as pessoas que tomaram sua segunda dose da vacina até 6 de março é que poderão iniciar o processo em 6 de setembro. A vacinação por idade começou no Estado em 8 de fevereiro para pessoas com mais de 90 anos e, em 6 de março, era esse público que estava tomando a segunda dose, no caso da vacina ter sido Coronavac. Algumas tomaram inclusive em intervalo menor de tempo. Já para pessoas que receberam o imunizante da Astrazeneca, o prazo para segunda dose foi de 3 meses e, portanto, devem se vacinar com terceira dose só nos meses seguintes.

Segundo o Governo, o público alvo é estimado em torno de 900 mil pessoas. “Desde a semana passada, o Comitê Científico vem discutindo com a área da Saúde a proteção das pessoas com mais idade. Essa decisão foi finalizada hoje pela manhã para aumentar a proteção das pessoas com mais de 60 anos”, disse o Governador João Doria.

Outra observação importante é de que a terceira dose deve ser aplicada em todas as pessoas acima de 60 anos, independente de qual tenha sido o imumizante utilizado nas duas doses iniciais – Astrazeneca, Coronavac, Pfizer ou mesmo que tenha sido a dose única da Jannsen.

A extensão da campanha foi avalizada pelo Comitê Científico de São Paulo. O objetivo principal é garantir proteção adicional à população mais vulnerável a variantes mais contagiosas do coronavírus, como a delta. O Governo do Estado também pediu mais vacinas ao Ministério da Saúde para antecipar a segunda dose dos públicos restantes.

Delta

“Além de proteger a população adulta com a cobertura de segunda dose, é importante também aumentar a proteção dos grupos mais vulneráveis que têm maior chance de, eventualmente, ter um quadro mais grave, com uma dose adicional. Após seis meses, há evidência de uma possível queda de proteção e isso se aplica a todos os imunizantes”, afirmou Paulo Menezes, Coordenador do Comitê Científico.

De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde, até esta quarta há 266 amostras positivas da variante delta em todo o território paulista. A estratégia do Governo de São Paulo é assegurar que os índices epidemiológicos e de ocupação hospitalar continuem em queda e evitar a propagação de novas variantes.

“O fato dela ter uma característica de disseminação muito maior que as cepas anteriores faz com que esse olhar de atenção e antecipação se faça necessário”, destacou o Secretário da Saúde Jean Gorinchteyn.

A Secretaria da Saúde também já preparou uma nova carteira de vacinação para os idosos que vão receber a terceira dose a partir de setembro. Não haverá necessidade de novo cadastro no Vacina Já (www.vacinaja.sp.gov.br) para a dose adicional.

Advertisement
1 Comentário

1 Comentário

  1. janaina

    13 de setembro de 2021 at 21:26

    Como tomar a terceira dose agendada pelo Governo de Estado SE A SEGUNDA DOSE DA ASTRAZENECA não fará o aniversário de 5 6 meses da data prevista. Foi pensado nisso? Para quem tem 67 anos?
    Obrigada

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

© 2022 Jornal São Paulo Zona Sul - Todos os Direitos Reservados