Siga-nos

Ecourbis

Temporada de chuvas traz riscos

Publicado

em

Os cuidados com limpeza urbana são fundamentais em qualquer época do ano. Mas, na temporada de chuvas garantir ruas e casas limpas tem importância ainda maior para evitar não apenas o agravamento de enchentes e alagamentos como também o crescimento de problemas de saúde pública.

Em plena pandemia e com quarentena ainda vigente no Estado, muitas famílias permanecem trabalhando em casa e se dividindo entre as tarefas domésticas, educação e emprego. Nesse cenário, cuidar da destinação correta dos resíduos domésticos precisa ser missão diária.

Lixo mal acondicionado dentro de casa ou descartado incorretamente pelas ruas agrava o problema das enchentes, atrai animais sinantrópicos, provoca doenças.
Os cuidados começam dentro de casa e se estendem pelas ruas, estabelecimentos que frequentamos… O tempo todo é necessário estar atento.

Os três A’s

Há uma máxima entre especialistas que indica que os animais sinantrópicos, que podem transmitir doenças, são como todos os seres vivos: necessitam de três fatores para sobreviver – os três A’s: água, alimento e abrigo.

Na temporada das chuvas, a maioria deles encontra condições ainda mais favoráveis a se reproduzirem ou saem das tubulações e passam a se esgueirar pelas ruas e casas, trazendo novos riscos à saúde das pessoas. A pandemia de Covid, aliás, reforçou um ensinamento que outras doenças já haviam trazido: higiene e limpeza evitam graves problemas de saúde pública.

Medidas simples devem estar na lista de prioridades. Mantenha jardins e quintais limpos, separe os materiais recicláveis e não recicláveis, evite acumular coisas, respeite os horários da coleta.

Os serviços de coleta seletiva de recicláveis ou de coleta tradicional domiciliar de resíduos são prestados pela concessionária Ecourbis Ambiental nas zonas sul e leste da capital. Visite o site ecourbis.com.br/e-coleta.aspx e saiba o horário em que cada um dos caminhões passa em sua rua.

Dessa forma, é possível participar com a separação de recicláveis e também garantir que os sacos de lixo sejam colocados na calçada apenas uma ou duas horas antes do horário previsto para a coleta.

Moscas e baratas

Sujeira espalhada, em casa ou nas ruas, atrai baratas, moscas e formigas. Embora o cidadão tenha essa informação, mutas vezes deixa de contribuir com a limpeza urbana por atitudes equivocadas.

Além de deixar sobras de alimentos dentro da própria casa, também deixa água acumulada em objetos nos quintais e varandas, não acondiciona corretamente o lixo doméstico. É preciso usar sacos ou sacolas resistentes, não colocar volume acima de dois terços da capacidade e deixar no horário correto na rua, para evitar intercorrências como o ataque por animais ou que sejam levados por enxurradas.

Moscas alimentam-se de fezes, escarros, secreções, produtos animais e vegetais em decomposição e açúcar, entre outros. Baratas têm atuação similar, mas também se alimentam de sobras nos esgotos e costumam sair das tubulações em dias chuvosos – por isso, torna-se ainda mais importante evitar o despejo de alimentos e óleo pelo encanamento.

Baratas, moscas e também formigas carregam agentes patogênicos em suas patas após pousarem em superfícies contaminadas com estes germes e, posteriormente, pousarem nos alimentos. Assim, transmitem várias doenças, tais como distúrbios gastrointestinais .

Para evitar a proliferação desses insetos, é preciso manter os ambientes limpos – inclusive a lixeira onde se deposita o lixo durante a semana, além de ensacar o lixo corretamente. O ideal é deixar a lixeira sobre uma grelha ou tablado, em vez de encostada no solo, ou limpar a área frequentemente. Os alimentos no armário também devem estar sempre em recipientes bem fechados. Evitar o desperdício também é importante: quanto menos lixo desperdiçado, menor é a chance de atrair os insetos.

Mosquitos

Outro grande problema e que tem relação com a destinação correta de resíduos é a proliferação de mosquitos.

Dois gêneros de mosquitos têm forte presença e prejudicam a população paulistana: o Aedes e o Culex.

As fêmeas de Culex picam à noite e as do Aedes durante o dia, ambas porque precisam de sangue para maturar os ovos.

Embora o pernilongo comum (Culex) tenha mais a característica de incômodo, causador de coceira e em algumas pessoas de alergias, o Aedes carrega doenças como a dengue, zika, chicunguya e outras que podem ser fatais.

Os dois tipos de mosquito, portanto precisam de água para postura dos ovos e proliferam-se especialmente na primavera e no verão – pela média de temperatura e pela abundância de água das chuvas. Enquanto as fêmeas Culex buscam água poluída, as do Aedes preferem colocar os ovos em recipientes com água limpa.

Em síntese, todo acúmulo de água é favorável à proliferação de mosquitos. Para controlar a população de mosquitos, é necessário eliminar os criadouros e essa situação está intimamente ligada ao descarte correto de resíduos.

Evitar acúmulo de objetos nos quintais e jardins, não jogar materiais inservíveis em terrenos ou vias públicas devem ser preocupações constantes, pois esses itens podem acumular água da chuva e servir de criadouro.

Da mesma forma, é necessário estar sempre atenteo e recolher latas, copos e frascos em geral sem utilidade e colocar em sacos de lixo – aqueles que são de material reciclável (plástico, vidro, metal e papel) devem ser encaminhados pela coleta seletiva para que sejam reciclados.

Ratos

Deixar restos de alimentos mal acondicionados ou não cuidar do “lixo” doméstico são atitudes que também podem atrair ratos. Mesmo o lixo deixado em praças, terrenos e ruas contribui igualmente para a manutenção da população de roedores em esgotos e tubulações. Ratos podem transmitir leptospirose é uma doença grave, causada por bactérias da espécie Leptospira interrogans, presente na urina do rato e pode levar à morte o ser humano e animais domésticos.

O contágio geralmente ocorre devido ao contato com água ou lama de enchente, limpeza de córregos, caixas de esgoto, águas pluviais, fossas ou de bueiros e manipulação de lixo contaminados com urina de rato infectada.Com as chuvas de verão os números de casos de Leptospirose aumentam muito.

Advertisement
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

© 2020 Jornal São Paulo Zona Sul - Todos os Direitos Reservados