Siga-nos

AudioMag

Perda auditiva: quando não tratada, tem muitas consequências

Publicado

em

Viver com perda auditiva não tratada significa dificuldade no ambiente social, perda de performance no trabalho, bem como um obstáculo para aproveitar os programas de lazer. Desta forma você se permite viver sem um dos cinco sentidos. Às vezes, algumas atividades tornam-se impraticáveis e muitos preferem ficar em casa e evitar estas situações que exigem atenção e o convívio social.

Também é muito desgastante lidar com a perda auditiva, pois você precisa se concentrar muito mais.

A maioria das pessoas demora de 5 a 7 anos para aceitar a perda auditiva. Mas esta é uma má decisão. Adiar o inevitável só vai tornar mais difícil a correção do problema. Seu cérebro se acostuma a não ouvir sons do cotidiano e quanto mais você vive sem ele, mais difícil fica para o cérebro compreendê-los novamente. O uso do aparelho auditivo pode evitar a deterioração da capacidade do cérebro para interpretar sons.

Não existem razões para esperar!

Os aparelhos auditivos

Caso seja confirmada a existência de uma perda auditiva, o seu fonoaudiólogo fará a indicação de um ou dois aparelhos auditivos para você, com características tecnológicas que beneficiarão sua audição.

Um ou dois?

Perdas auditivas relacionadas à idade e a exposição a ruído, por exemplo, podem afetar ambas as orelhas. Se este é o seu caso, você necessita do uso de dois aparelhos auditivos. Isso atualmente é muito comum, tendo em vista que 75% das compras de aparelhos auditivos no mundo são binaurais. Usando os aparelhos nas duas orelhas, você terá benefícios como:

Aumento da compreensão e reconhecimento de fala: facilidade em reconhecer os sons em ambientes com competição sonora;

Melhora na localização da fonte sonora: o cérebro precisa receber informações de ambos os ouvidos para informar de qual direção o som está vindo;

Conforto e qualidade sonora: ao ouvir melhor com os dois aparelhos, o esforço para escutar diminui e os sons passam a ter qualidade e intensidade, possibilitando a noção de espaço;

Redução do risco de privação auditiva: essa privação ocorre quando o cérebro perde gradualmente alguma de suas habilidades de processar informações auditivas devido à falta de estimulação sonora. Quanto antes a adaptação com dois aparelhos for feita, menor a chance desse prejuízo.

Qual aparelho usar?

A seleção do aparelho auditivo correto para cada usuário é realizada por um profissional especializado, o fonoaudiólogo.

– A escolha do aparelho leva em consideração quatro fatores:

– Estilo de vida e necessidades individuais do paciente;

– Formato e dimensões da orelha do paciente;

  Tipo da perda auditiva (neurossenssorial, condutiva, mista)

– Grau da Perda Auditiva (Leve, moderada, moderadamente severa, severa ou profunda)

– Configuração da perda auditiva (plana ou horizontal, descendente discreta, descendente acentuada, descendente em rampa, em U, em U invertido, entalhe, ascendente).

Tem dúvidas ou quer mais informações?

Agende uma consulta o quanto antes e garanta qualidade de vida.

FONOAUDIÓLOGA Alessandra Herrera

WhatsApp (11) 94197-4510

 

– AudioMAG Vila Clementino

Rua Leandro Dupret, 168

Tel.: (11) 5083-6539

www.audiomag.com.br

Advertisement
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

© 2021 Jornal São Paulo Zona Sul - Todos os Direitos Reservados