Siga-nos

Cultura

Livro traz lirismo e música clássica para crianças

Publicado

em

Imaginem músicas classicas nacionais e internacionais com adaptação para que as crianças não apenas descubram o valor de autores como Beethoven e Carlos Gomes como também desenvolvam o amor pela arte, pela escola, pela leitura. Essa magia está em um livro recém-lançado: Cantos e Cantigas, de Renée Fonna Sizudo. Cantora lírica do Teatro Municipal de São Paulo, ela também é poetisa, artista plástica, educadora e uma das fundadoras do Colégio Anglo-Brasileiro, na Vila Mariana. Esta semana, ela concretizou mais um sonho, ao lançar o livro que reúne parte de sua experiência no processo de musicalização infantil. Seu sonho maior, na verdade, é ver a musicalização infantil integrando oficialmente o currículo de disciplinas obrigatórias nas escolas brasileiras.

A educadora e artista ainda hoje mantém esse rico contato com a garotada. No Anglo-Brasileiro, faz com que as crianças descubram o poder da música, a importância da arte em suas vidas – independente de seu talento ou vontade de se tornarem efetivamente artistas. A experiência mostra que as crianças desenvolvem a expressividade, até corporal, a atenção, a criatividade e imaginação…

No livro, há desde músicas folclóricas, falando de figuras como o Saci, e de inspiração na natureza, como as que tratam de animais, até adaptações de clássicos como o Guarani, de Carlos Gomes, a ópera Carmem, de Bizet, a Nona Sinfonia de Beethoven, ou a tradicionalíssima canção italiana Sole Mio. As músicas estão lá em letras e partituras, na mesma ordem em que são apresentadas em um CD que acompanha a obra. Nele, Renée canta e toca piano, com arranjos de sua autoria. As ilustrações também são assinadas por ela, com apoio de Iris Fonna, Renée Sizudo Satomi e Zenaide Fonna Rocha.

O lançamento aconteceu na Livraria da Vila, unidade Moema, na última quarta, 8. Muita gente passou por lá, entre 18h e 22h: amigos, fãs, alunos e ex-alunos, pais de alunos, artistas, professores, pedagogos, empresários… Como escreveu outro dos convidados, o maestro Samuel Kerr, no prefácio da obra, o livro “foi escrito por quem não esqueceu de ser criança, guardou no relicário do seu coração os sons da infância, acreditou na sua voz e resolveu ensinar a todos cantar, compor, poetar, desenhar, sonhar…”

Advertisement
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

© 2021 Jornal São Paulo Zona Sul - Todos os Direitos Reservados