Siga-nos

Coronavírus

Laboratório do Instituto Biológico inicia testes para Covid 19

Publicado

em

Três meses depois de anúnciado, finalmente o Laboratório de Viroses de Bovídeos do Instituto Biológico (IB), na Vila Mariana, iniciou os trabalhos de diagnóstico de COVID-19. O espaço foi habilitado pelo Instituto Adolfo Lutz para colaborar no atendimento da pandemia pelo teste molecular (RT-qPCR) e tem capacidade para realizar dez mil análises por mês.

A lentidão na testagem e divulgação de resultados e o baixo número de testes aplicados na população são fatores que contribuem para que a Covid 19 se espalhe. São Paulo ainda tem alto nível de contaminação, tem batido recrodes de mortes e, embora o ritmo de contágio tenha sido reduzido na capital, ainda está bem acima do que quando foi decretada a quarentena, com fechamento de todo o comércio.

Essa semana, o governo do Estado anunciou que a da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado, responsável pelo Instituto Biológico, e a Secretaria da Segurança Pública assinaram um termo de cooperação para a realização dos diagnósticos nos agentes de segurança. O objetivo é minimizar os efeitos da infecção e viabilizar o isolamento dos profissionais para evitar a transmissão da doença.

Amostras

A Polícia Militar contribuiu na manutenção das portas do Laboratório de Biossegurança Nível 3 (NB3) do IB para que os voluntários possam processar as amostras em segurança e evitar escape viral nas dependências do laboratório.

O IB recebeu os insumos diagnósticos do Instituto Butantan, parte dos equipamentos de proteção individual (EPI) da empresa Boehringer Ingelheim Saúde Animal e microtubos e estantes da Innova Agrotecnologia. Outros laboratórios do próprio instituto contribuíram com estantes, usadas para acondicionar e organizar os tubos das amostras dos pacientes.

“O termo de cooperação entre a Polícia Militar do Estado de São Paulo e o IB é de fundamental importância para a saúde dos nossos policiais militares, no sentido de disponibilizarmos o exame de RT-qPCR, que é considerado de padrão ouro, para o diagnóstico da Covid-19, onde são detectados o material genético do coronavírus”, afirma Luciano Bottura, capitão médico da PM.

“A partir dessa parceria, manteremos o atendimento dos nossos policiais. A importância desse teste vai além do diagnóstico de Covid-19. Ele permite isolar o paciente e realizar a rastreabilidade de seus contactantes para monitoramento e controle da doença”, completa.

Laboratório

O Laboratório de Viroses de Bovídeos (LVB) do IB possui instalação de Biossegurança Nível 3 (NB3), estrutura que permite processar as amostras em ambiente biosseguro e evitar riscos de escape viral. Para atender o diagnóstico de COVID-19, as amostras são inativadas no laboratório NB3 e submetidas à RT-qPCR para Sars-CoV-2 no laboratório de Diagnóstico Molecular do LVB.

“Uma força tarefa foi montada no Instituto Biológico para que pesquisadores do próprio Instituto, além de profissionais da Coordenadoria de Defesa Agropecuária fossem capacitados e treinados para a realização dos diagnósticos. Ao todo, dez profissionais estão atuando nessa atividade, realizando, principalmente, a recepção das amostras”, explica Liria Hiromi Okuda, pesquisadora do IB e responsável pelo NB3.

​Inaugurado em 2016, o espaço recebeu investimentos de R$ 2 milhões do Governo de São Paulo. A unidade cumpre os requisitos de Segurança Biológica Nível 3, estabelecidos pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) e é o único do Estado e um dos poucos do País da área animal a ter este nível de segurança.

O local possui acreditação pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) com base na norma internacional ISO 17025, e é credenciado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) para diagnóstico de doenças virais que impactam o setor de produção agropecuário.

Fundamental para o apoio e a execução dos programas sanitários brasileiros, o laboratório do IB contribui para as certificações sanitárias de comércio nacional e internacional. A instalação estratégica permite a manipulação segura de materiais biológicos de origem animal e evita escape de microrganismos que poderiam colocar em risco a comunidade.

Advertisement
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

© 2020 Jornal São Paulo Zona Sul - Todos os Direitos Reservados