Siga-nos

expirado

Espetáculo no João Caetano discute nazismo

Publicado

em

o ovo de ouro

O espetáculo “O Ovo de Ouro” chega aos palcos do Teatro João Caetano no início de dezembro. A peça dirigida por Ricardo Grasson gira em torno da vida de Dasco Nagy, judeu sobrevivente do campo de concentração de Auschwitz.

Desde o lançamento, em 2019, o personagem era interpretado pelo veterano Sérgio Mamberti, conhecido por papéis como o Dr. Victor em “Castelo Rá-Tim-Bum” e o mordomo Eugênio em “Vale Tudo”. Sérgio faleceu em setembro de 2021, aos 82 anos, mas sua atuação na peça lhe rendeu o Prêmio Bibi Ferreira postumamente, na categoria Melhor Ator – homenagem que dividiu com Tarcísio Meira, também falecido neste ano. Nesta nova temporada, quem assume o papel de Dasco é seu filho, Duda Mamberti.

Em “O Ovo de Ouro”, o espectador mergulha na subjetividade fragmentada do protagonista, profundamente marcada pela experiência em Auschwitz-Birkenau . Num primeiro momento, dois planos são apresentados – a realidade e o delírio – para retratar a relação do protagonista quando jovem (Luccas Papp) com seu melhor amigo Sándor (Leonardo Miggiorin), com a prisioneira Judit (Rita Batata) e com o comandante alemão Weber (Ando Camargo).

Mais à frente, somos levados ao presente, numa cena que traz uma entrevista de Dasco, já em idade avançada, por uma jornalista, elaborando e relatando os traumas e os horrores vividos durante o período do Holocausto. Dentre elas, está a dura experiência como Sonderkommando, como eram chamados os prisioneiros obrigados a trabalhar nos campos, em troca de sua sobrevivência. Esses colaboravam para acelerar a máquina de morte nazista, conduzindo outros judeus à câmara de gás, queimando os corpos e ocultando as provas do Holocausto.

Assim, “O Ovo de Ouro” se constrói no conflito interno entre sobreviver e auxiliar na aniquilação de seu próprio povo. Temas como humanidade, morte, identidade e os limites do comportamento humano tomam protagonismo, apresentados em sua complexidade.

O autor da peça, Lucas Bapp, conta que o texto surgiu de uma necessidade de impedir o apagamento das cicatrizes da Segunda Guerra Mundial, do Holocausto e do nazismo. “ A ideia de escrever a peça começou em 2014, quando eu fui apresentado ao universo do Sonderkommando por meio de um pequeno artigo em uma revista. Essa figura do judeu que tem que auxiliar com o extermínio do próprio povo mexeu muito comigo e minha noção de humanidade, e me incentivou a tentar entender por que eles faziam isso, por que eles não se recusavam”, explica.

“O Ovo de Ouro” foi lançado, originalmente, em celebração aos 80 anos de Sérgio Mamberti. Para Duda Mamberti, que agora dá continuidade ao trabalho, a importância da peça se estende para além de seu teor político, tendo sido a última apresentação de seu pai em vida.

“Já fiz alguns personagens que ele viveu no teatro ou no cinema, mas esse trabalho é mais uma homenagem que eu presto a ele. Eu estou muito feliz por isso”, explica, emocionado. O espetáculo também é especial por ser o primeiro depois da pandemia. “É um momento de felicidade, voltar a sentir o teatro, viver aquele frio na barriga, são sensações de prazer indescritível”, conta.

“O Ovo de Ouro” é apresentado no Teatro João Caetano nos dias 3 e 4 de dezembro, às 21h, e no dia 5, às 19h. Para acompanhar a experiência, o público também pode adquirir o livro Sérgio Mamberti: Senhor do Meu Tempo (Edições Sesc), escrito pelo ator junto com o jornalista Dirceu Alves Jr.

SERVIÇO:

O OVO DE OURO  – Teatro adulto: 3 a 5/12 ; Sexta e sábado às 21h e domingo às 19h . Presencial no teatro. Classificação: +12 anos. Duração: 90 min

O Teatro João Caetano fica na Rua Borges Lagoa, 650 – Vila Clementino.

Advertisement
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

© 2022 Jornal São Paulo Zona Sul - Todos os Direitos Reservados