Jornal São Paulo Zona Sul

Comércio deve fechar as portas na sexta, 20

O prefeito Bruno Covas acaba de anunciar que todo estabelecimento comercial – com exceção daqueles que vendem elementos essenciais como alimentos e remédios – deverão fechar as portas para o atendimento ao público, 20 de março.

A medida radical foi anunciada no fim dessa tarde e publicada em decreto de emergência, complementar ao já publicado ontem.

O fechamento deve permanecer até dia 5 de abril, para minimizar os riscos de transmissão do coronavírus na cidade de São Paulo. Até mesmo os vendedores ambulantes não estarão autorizados a trabalhar.

Segundo o prefeito, os estabelecimentos poderão trabalhar de portas fechadas e promover vendas e atendimento à distância, por telefone ou canais digitais.

Poderão continuar funcionando apenas:

  • Hipermercados e supermercados;
  • Padarias;
  • Farmácias;
  • Postos de gasolina;
  • Lojas de conveniência;
  • Restaurantes e lanchonetes;
  • Lojas de produtos para animais;
  • Feiras livres.

“As lojas poderão continuar a funcionar para balanços, entregas delivery, inventário, pequenas reformas”, disse o prefeito de São Paulo.

Ainda assim, nos pontos abertos, deverá ser estabelecida uma distância mínima entre as mesas e entre os clientes atendidos, de um metro.

Ainda não ficou claro como será feita a fiscalização dos estabelecimentos, que podem até ter a licença cassada, segundo a Prefeitura, ou se ambulantes que trabalham com alimentos poderão de alguma forma operar.

Comentar

WhatsApp chat Receba as edições por WhatsApp!