Jornal São Paulo Zona Sul

Bairros do entorno vão ganhar com piscinão e despoluição do rio

O projeto de recuperação do Museu do Ipiranga vai além do edifício histórico e ultrapassa inclusive os limites do Parque da Independência.

Um dos patrocinadores – a Sabesp – já anuciou que vai investir, além dos 12 milhões na restauração do Museu, outros quatro milhões para despoluir o Córrego Ipiranga.

A Sabesp também fará o rebaixamento da rede de esgoto nas imediações do Museu por conta das obras que serão executadas. A limpeza e a urbanização do Ipiranga integram o Córrego Limpo.

Realizado desde 2007 pela Sabesp em conjunto com a Prefeitura de São Paulo, o programa Córrego Limpo tem a finalidade de melhorar a qualidade da água dos mananciais, rios e córregos da Capital, por meio de adequações no sistema de esgotamento sanitário do entorno dos córregos, trabalhos de limpeza, manutenção e educação ambiental. A iniciativa é complementar ao Projeto Tietê. Entre 2019 e 2020, outros R$ 16 milhões serão investidos na continuidade do programa.

Leia mais:

Museu e Córrego devem ser recuperados até 2022,
ano do bicentenário da Independência

Piscinão

Ainda na mesma região, estão em andamento obras para construções de dois piscinões para evitar que o Córrego Ipiranga continue a transbordar em dias de chuvas intensas.

O piscinão R2-Aliomar Baleeiro do Córrego Ipiranga, na altura do número 3.800 da Avenida Professor Abraão de Morais, já está em obras e deve ser concluído no ano que vem. Quando concluído, o reservatório terá capacidade para armazenar 200 mil metros cúbicos de água, que equivalem a 80 piscinas olímpicas. Os trabalhos começaram em agosto de 2017 e as obras estão orçadas em R$ 160 milhões, sendo R$ 122 milhões.

Também faz parte deste projeto a construção de outro reservatório, o R1 – Lagoa Aliperti, ainda em fase de desapropriação.

Comentar

WhatsApp chat Receba as edições por WhatsApp!