Siga-nos

Urbanismo

Apartamentos são entregues com recursos da Operação Urbana Água Espraiada

Publicado

em

Ainda no início da gestão, o prefeito Fernando Haddad anunciou que não priorizaria a obra viária da Operação Urbana Água Espraiada, mas sim o aspecto habitacional, com remoção das favelas existentes ao longo do Córrego e transferência das famílias para unidades habitacionais construídas com os recursos da Operação.
Entretanto, até agora a remoção ocorre em ritmo lento. Há poucas semanas, a Subprefeitura do Jabaquara chegou a anunciar que fará um acordo com entidades que tenham interesse em ocupar temporariamente terrenos já liberados para a Operação, enquanto as obras não acontecem, para evitar invasões.
Apesar de em ritmo lento, as obras habitacionais estão em andamento. Esta semana, 74 unidades ficaram prontas e foram entregues. Outras 356 estão ainda em obras, com previsão de entrega de 102 delas no início de 2016 e o restante até o final do mandato.
Para se ter ideia, entretanto, a carência, ali, é estimada em cerca de 4 mil unidades habitacionais para atender todas as famílias que vivem nas comunidades e atualmente ocupam moradias precárias ao longo dos córregos. As famílias já foram todas cadastradas pela Prefeitura.
O próprio prefeito Fernando Haddad esteve no Jabaquara para fazer a entrega das chaves às famílias. “Com os recursos da operação urbana, só para moradia nós estamos desapropriando aqui 110 glebas. Vocês vão morar em um bairro estruturado, que vem melhorando a cada década. Não basta o teto, tem que estar integrado na cidade, com um conjunto de serviços disponíveis”, disse.
Os imóveis entregues têm área útil de 50 metros quadrados com dois dormitórios, sala, sacada, banheiro, cozinha e área de serviço. No condomínio, oito unidades são destinadas a pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida. O edifício é composto por doze pavimentos com seis apartamentos por andar e dois no piso térreo.
“Estou no Jabaquara desde os anos 70. A favela da Rocinha sempre foi considerada de uma condição degradante. As pessoas que vão morar no residencial já vivem aqui no bairro, mas agora de uma forma digna”, disse Olavo Geraldo, um dos novos moradores do condomínio.
As famílias terão também salão de festas, quadra recreativa, churrasqueira, área de lazer coberta e descoberta, bicicletário, estacionamento para moto e uma vaga de estacionamento para pessoa com deficiência física.
“Nós estamos com quase 5 mil unidades viabilizadas só para vocês que moram aqui na área da operação urbana. Três mil e quinhentas [unidades] são de terrenos que foram desapropriados e houve um chamamento pela Cohab. Já temos as construtoras que ganharam essas licitações, que já estão desenvolvendo os projetos”, explicou o secretário José Floriano (Habitação).

 

Advertisement
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

© 2020 Jornal São Paulo Zona Sul - Todos os Direitos Reservados