Jornal São Paulo Zona Sul

Antigo matadouro se transformou em sede do maior acervo audiovisual do país

Para ver a mudança, arraste o cursor na imagem acima

O SPZS está comparando presente e passado, relembrando fatos, mostrando como o crescimento desordenado da cidade responde por problemas da atualidade. Em nosso site, confira a comparação entre as imagens com efeito especial. E mais novidades virão, aguardem!

Essa semana, entretanto, mostramos um endereço que evoluiu positivamente. Embora a Vila Mariana e a Vila Clementino tenham perdido o clima bucólico, rios tenham sido canalizados e soterrados, entre outros problemas do grande crescimento urbano especialmente no centro expandido, nem todas as histórias têm capítulos negativos.

No final do século XIX, o bairro foi escolhido para sediar o novo Matadouro Municipal. Até então localizado no triângulo central da cidade, o matadouro deveria mudar de endereço porque, já movimentado, o centro não suportava mais o sangue escorrendo pelas ruas e o forte cheiro que emanava do abate de animais para consumo das pouco mais de 30 mil almas que habitavam a cidade à época.

O engenheiro Alberto Kuhlman então projetou um novo matadouro em bairro longínquo e deserto… A Vila Mariana.

Inaugurado em 1887, o Matadouro, entretanto, permaneceu ativo somente até 1927 – quando a própria Vila Mariana já crescia e o abate passou a ser feito fora da cidade.

Dali em diante, o prédio que abrigava o antigo matadouro foi se deteriorando e teve as mais diversas finalidades, mas sempre como local de armazenamento. Já foi até depósito da Ilume, a empresa de iluminação pública. A importância histórica, entretanto, era reconhecida e o tombamento veio em 1988.

Paralelamente, a Cinemateca Brasileira, instituição que resguarda relíquias do acervo audiovisual do país, estava sediada em uma casa inadequada à função, dentro do Parque Lina e Paulo Raia, ao lado da estação Conceição.

Até que na década de 1980 surgiu a ideia de transferi-la para o antigo Matadouro, que clamava por restauro.

A proposta só se concretizou na década de 1990 quando a mudança do acervo começa a ocorrer, paulatinamente. Em 1997, o prédio do antigo Matadouro recebe a Sala Cinemateca e, a partir daí, o endereço da Vila Mariana passa a concentrar a maior parte da programação, inclusive com exibições de filme ao ar livre e gratuitas.

Ainda não conhece? Vá lá: Largo Senador Raul Cardoso, 200, perto das estações Vila Mariana e Hospital São Paulo do metro.

Comentar