Jornal São Paulo Zona Sul

Volta às aulas traz lições de consumo consciente

As férias estão acabando e muitas famílias se preparam para comprar material escolar, além de novos uniformes, livros, apostilas, mochilas, calçados… E o que é feito com todos esses itens usados? Ficam encostados no armário ou vão para o lixo, gerando mais volume nos aterros?Várias dicas podem contribuir para que todo o material seja aproveitado ao máximo e resultando em mínimo de resíduos.

Organize

O primeiro passo é organizar as gavetas para perceber o que pode ser reaproveitado, diminuindo a necessidade de compras de novos itens. Outra opção é doar o material em bom estado para entidades que usam o material em atividades com as crianças ou distribuem para famílias atendidas.

Para doar, entretanto, é preciso selecionar: apenas objetos em bom estado. Não faz sentido doar canetas com pouca tinta, lápis já muito pequenos, apontadores cegos. O mesmo vale para apostilas e livros. Doe apenas aqueles que podem ser reaproveitados e que estão sem anotações.

Cadernos e apostilas de atividades devem ser encaminhados para a reciclagem: o processo é muito simples, basta separar o material e, no dia da coleta seletiva em sua rua, disponibilizar em embalagem bem fechada, evitando que molhe em dias de chuva. A coleta seletiva nas zonas Sul e Leste paulistanas é feita pela concessionária Ecourbis Ambiental. Depois de recolhido, o material é enviado para Centrais Mecanizadas ou convencionais de Triagem que vão fazer a separação por tipo: papel, plástico, metal e vidro. Para saber data e horário em que a coleta é feita, basta acessar http://www3.prefeitura.sp.gov.br/limpeza_urbana/FormsPublic/LimpezaRua.aspx.

“Todos os anos faço esse processo de limpeza nas gavetas”, conta Elisabeth Camolesi, assistente social que mora e trabalha na Vila Mariana. Ela e a filha Gabriela se juntam para decidir o que ainda pode ser aproveitado e o que vai ser doado ou vai para a reciclagem. “Acho que compartilhar esse momento é essencial, porque aprendemos juntas o que pode ou não ter a vida útil prorrogada e evitamos o consumo exagerado e a geração de resíduos”, avalia a moradora da Vila Mariana. “Crianças e adolescentes se empolgam muito no início do ano e querem comprar tudo novo. Essa triagem do material ensina muito sobre reaproveitamento, sobre evitar o desperdício e a prática do consumo consciente”, diz.

Recordação?

Elisabeth ainda comenta que antes tinha a preocupação de guardar muito material produzido pelas filhas no Colégio, como “recordação”. Mas, quando se mudou de apartamento, percebeu o espaço que era ocupado por tantos livros, cadernos de atividades e folhas soltas que nunca haviam sido novamente usados ou consultados. “Decidi separar apenas poucos itens como recordação escolar. O restante levei para o Ecoponto da Rua Afonso Celso”, relembra.

Há coleta seletiva no edifício onde Elisabeth e sua família vivem, mas ela já acha mais fácil levar até o ecoponto. “Assim que compro o novo material, já separo o antigo e coloco tudo em uma caixa, coloco no carro e deixo lá”.

Vale ainda lembrar que folhas usadas ao longo do ano para impressão de trabalhos devem ser reaproveitadas como rascunhos e, por fim, também encaminhadas pela coleta seletiva. Embalagens de plástico, potes e caixinhas ou latas igualmente devem ser encaminhados para a reciclagem.

Outras dicas

Há várias maneiras de evitar a geração de resíduos na volta às aulas. Confira algumas delas:

– Redes de Papelarias oferecem descontos para quem levar folhas usadas. Basta levar o caderno usado (sem espiral e capa) e ganhar desconto a cada quilo na compra de cadernos novos e ou papel sulfite. Em uma delas, a promoção acaba em 10 de março e limita a 50 kg por CPF.

– Outra rede de bolsas está oferecendo descontos para quem doar uma mochila usada, em bom estado, na compra de uma nova. As mochilas serão doadas a famílias carentes no sertão nordestino, por meio da ONG Amigos do Bem.

– Há ainda uma rede de lojas que aceita, ao longo do ano todo, doações de meias de algodão. Com elas, são produzidos cobertores doados a pessoas carentes durante o período do inverno.

– Material escolar em geral, estojos, mochilas, calçados, uniformes e roupas em bom estado podem ser doados para ongs como o Instituto Gabi, Casa do Zezinho ou Associação Beneficente Grupo da Caridade.

– Itens sem condições de reaproveitamento podem ser enviados através de uma ‘brigada do material escolar disponível na internet.

Empresas, escolas e grupos de moradores podem se mobilizar e enviar o material escolar gratuitamente para que seja reciclado e não se transforme em lixo. É preciso juntar no mínimo 1020 gramas e no máximo 30 quilos. Para orientações sobre o envio, acesse www.terracycle.com.br. Podem ser enviados produtos de qualquer marca: Lápis grafite; Lápis colorido; Lapiseiras; Canetas; Canetinhas; Borrachas; Apontadores; Marca-texto; Marcadores permanentes; Marcadores de quadro-branco.

Comentar

WhatsApp chat Receba as edições por WhatsApp!