Jornal São Paulo Zona Sul

Unifesp promove nova sessão de Comissão da Verdade com depoimentos sobre período da ditadura militar

No dia 13 de março, quinta-feira, a Comissão da Verdade Marcos Lindenberg (CVML), da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), realiza sua quinta sessão pública de depoimentos – desta vez com o tema “Formar-se Médico em 1972” – que contribuirá para o trabalho de investigação das ações da ditadura militar contra professores, alunos e funcionários da Escola Paulista de Medicina (EPM), unidade universitária que hoje integra a estrutura da Unifesp.
Os três convidados – Clóvis Eduardo Tadeu Gomes, Nestor Schor e Sérgio Tufik – são hoje professores da Escola e tiveram forte participação nos movimentos de resistência à ditadura, além de terem se formado em um ano emblemático para a EPM, com prisões de alunos. Seus depoimentos permitirão refletir sobre diferentes formas de resistência e atuação política entre o final dos anos 60 e os anos 70.
Foram ouvidos na sessão anterior o deputado federal e ex-aluno da EPM, Walter Feldman, o ex-aluno e médico da Unifesp, Nacime Salomão Mansur, e o também professor da Unifesp, Miguel Roberto Jorge.
O professor Marcos Lindenberg, que nomeia a Comissão da Verdade da Unifesp, foi um dos mais marcantes diretores da EPM e o principal responsável pelo processo de federalização da Escola, que deu origem à Unifesp. Ele foi exonerado compulsoriamente pelo governo militar, em 1964, por ser considerado subversivo.
A Quinta sessão de depoimentos da Comissão da Verdade Marcos Lindenberg: “Formar-se médico em 1972” acontece dia 13 de março, próxima quinta-feira, às 10h, no Anfiteatro Leitão da Cunha. Endereço: Rua Botucatu, 720 – Vila Clementino.
Todos as sessões de depoimentos da CVML são gravadas e transmitidas através da Intranet da Universidade.

Comentar

WhatsApp chat Receba as edições por WhatsApp!