Andar de bicicleta pela cidade, especialmente enquanto modal de transporte, demanda toda uma infraestrutura de apoio. Saber onde a bicicleta vai poder ficar enquanto se trabalha, faz compras, estuda ou desenvolve qualquer outra atividade é um dos planejamentos essenciais. Até para que a Bicicleta possa servir ao usuário como um dos meios usados – vai de bike até o metrô, por exemplo, para seguir dali ao trabalho.

No Plano de Mobilidade Urbana para bicicleta apresentado pela Secretaria Municipal várias medidas estavam previstas, incluindo a instalação de paraciclos – que são suportes para a fixação de bicicletas já bem espalhados pela cidade, tanto em áreas públicas quanto privadas – e a criação de bicicletários, que são estacionamentos cobertos e com maior número de vagas.

No sábado passado, 11, um novo bicicletário foi instalado no Paraíso, bem perto da ciclovia da Paulista e da região da Vila Mariana. 

Localizado na Praça Maximus IV Sayegh, próxima à esquina das ruas Correia Dias e Cubatão, no Paraíso, Zona Sul de São Paulo, o espaço conta com 52 vagas e poderá ser utilizado gratuitamente de segunda a segunda, entre 4h e 1h.

Esse é o terceiro bicicletário inaugurado na cidade em parceria com o Itaú Unibanco, que tem um termo de cooperação com a Prefeitura. Os outros dois ficam no Largo da Batata, em Pinheiros, e na Praça dos Arcos, na Avenida Paulista. Ao todo, essas três estruturas oferecem 199 vagas. Além deles, os ciclistas contam na cidade com 28 bicicletários nos terminais de ônibus e outros 29 instalados nas estações do Metrô – um deles no Jabaquara, com 225 vagas,  e outro também na estação Paraíso, mas com apenas 10 vagas. e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM).

Nas marginais, estão sendo criados pontos de apoio gratuitos aos ciclistas com paraciclos, vestiário e chuveiro. Ciclistas serão cadastrados para utilizarem os espaços.

E desde fevereiro de 2015, já foram instalados 2.311 paraciclos pela cidade.

Compartilhe:

Comente essa matéria: