Jornal São Paulo Zona Sul

Readequação de viaduto no São Paulo Expo ainda não começou

A vizinhança do viaduto Mateus Torloni está atenta e já se queixa: onde está a obra, prometida para começar em dez dias? Bairros como Cidade Vargas e Vila Guarani sofrem com os impactos no trânsito em dias de evento no São Paulo Expo, pavilhão e centro de convenções localizado no Jabaquara. Ali, embora tenham sido construídas novas alças de acesso ao viaduto Mateus Torloni, para absorver o tráfego do entorno, duas dessas novas vias foram interditadas ainda no dia de sua inauguração, em julho de 2016, e não foram mais reabertas.

A atual gestão afirma que o projeto de construção e adaptação, executado em 2016, não foi aprovado pela administração municipal – nem pela Companhia de Engenharia de Tráfego, nem pela Secretaria de Infraestrutura Urbana. Na “inauguração” das alças, havia representantes da CET, Subprefeitura do Jabaquara (atual Prefeitura Regional) e também do Centro de Convenções. Mas, na ocasião, os problemas já ficavam claros: a região estava totalmente congestionada por conta de um evento realizado no São Paulo Expo.

Novo atraso

Embora a promessa tenha sido, em 10 de maio, de iniciar as obras “em dez dias”, Siurb afirma que a intenção era de começar os trabalhos em 28 de maio, segunda passada. Em nota enviada ao São Paulo Zona Sul, a Secretaria alega que, por conta da paralisação dos caminhoneiros, as máquinas que irão operar no local estão sem diesel.

E garante que “a obra terá início logo que o abastecimento seja normalizado”.

Ressalta ainda que as adequações serão executadas pelos responsáveis da São Paulo Expo por meio de um Termo de Responsabilidade de Obra já aprovado pela SIURB e CET e não terão custos para a Prefeitura.

Sinalização

Outro problema no entorno do São Paulo Expo está relacionado ao traçado viário e sinalização, especialmente de solo. Na entrada da Rua Santa Antília, há uma “mão invertida” ou “mão inglesa” de trânsito que deixa confuso mesmo moradores do bairro e provoca erros por parte dos motoristas diariamente. Inadvertidamente, entram ou saem da via pela contra-mão.

As placas colocadas na área só confundem. E têm sido alvo de vandalismo – ou acidentes – de forma recorrente.

Outro problema da sinalização está na junção das ruas Amborés e Santa Antília. Na primeira, há placas indicando que o estacionamento é proibido, no sentido do viaduto Mateus Torloni. A rua Santa Antília, que é continuação da Amborés, não tem as placas mas, ainda assim, contam motoristas que usam a região e moradores, fiscais da CET multam quem estaciona ali.

Principalmente quem procura vagas e faz o retorno da rua Santa Antilia na Praça Barão de Angra não vê as tais placas de proibição.

O jornal São Paulo Zona Sul já enviou mais de cinco questionamentos à Companhia de Engenharia de Tráfego, sem resposta. Os moradores também têm buscado respostas e melhorias, comparecendo às reuniões do Conselho Comunitário de Segurança (Conseg) Jabaquara, que ocorre na terceira segunda-feira de cada mês no bairro (Praça 20 de Setembro, 2 – sede da Sociedade Amigos da Cidade Vargas). Sempre há um representante da CET nos encontros, mas até agora nenhuma mudança concreta se efetivou.

Comentar

Teste

WhatsApp chat Receba as edições por WhatsApp!