Antiga indústria de equipamentos óticos, construída em 1947, será sede do Creci após ampla reforma

Na década de 1940, a região do Planalto Paulista era ainda deserta e a Avenida Indianópolis não passava de uma “estradinha” aberta em meio a uma rala vegetação rasteira! A paisagem seria modificada, em 1947, pela construção de um prédio arrojado para a época: tinha até um domo, com um telescópio! Moradores mais tradicionais ou atentos sabem que se trata da sede da DFV, ou DF Vasconcelos, como era conhecida a fábrica de microscópios, telescópios e outros produtos óticos e de precisão. Ali, foram produzidos mais de 50 mil microscópios cirúrgicos na segunda metade do século XX. Até julho passado, a empresa ainda mantinha funcionamento parcial no edifício de 67 anos, mas mudou-se em definitivo para a cidade de Valença.

A mudança se concretizou depois que foi finalmente fechada a venda do imóvel, após uma negociação de dois anos. Por R$ 22 milhões, a fábrica da DFV passou a ser do Conselho Regional de Corretores de Imóveis de São Paulo, o Creci. A intenção é iniciar imediatamente um processo de licitação para escolha de um escritório de arquitetura e engenharia que vai comandar a reforma do prédio. “A estimativa é de que o custo de recuperação gire em torno de R$ 8 milhões”, diz o presidente do Creci, José Augusto Vianna Neto. Ele acredita que a obra, propriamente dita, leve cerca de seis meses para ter início e, depois, outros dois anos para ser concluída. “Queremos que o aspecto histórico seja preservado”, disse ele, em entrevista ao jornal SP Zona Sul esta semana.

Mais do que isso, o Creci pretende tornar o quarteirão todo ocupado por sua sede em uma área segura e com movimentação harmônica com a vizinhança. O presidente quer que sejam instaladas câmeras e sistema de segurança moderno e garante que vai melhorar a iluminação no entorno, que hoje é escuro por conta não apenas da copa das árvores que circundam o prédio, mas porque um imenso muro toma um dos lados por completo.

“Temos preocupação em revitalizar a área verde e preservar a vegetação existente”, diz Viana. Recuado, o prédio atualmente está com aspecto abandonado e seus jardins invadidos por mato e sujeira.

A reforma do prédio deverá ainda contemplar toda reestruturação hidráuica, elétrica, cabeamento, prevenção a incêndios… “Queremos ainda garantir um amplo estacionamento para nossos associados, onde hoje existem galpões”, explica o presidente do Creci. Outra preocupação é com a proteção acústica, para que os eventos não gerem ruídos para a vizinhança. “Já mantivemos contato com a Sociedade Amigos do Planalto Paulista e pretendemos ter abertura total à comunidade vizinha”, conclui o presidente do Creci. “Os eventos promovidos pelo Creci são muito esporádicos e não trarão prejuízos ao bairro residencial.

Creci quer recuperar observatório e criar espaço cultural para estudantes

 

O número 1706 da Indianópolis é uma referência arquitetônica para quem vive na região da Saúde e um símbolo na história da indústria paulista. E certamente um marco visual do edifício é o domo localizado bem no centro do prédio. “Vamos recuperar o domo e implantar ali um observatório, com um grande telescópio”, promete o presidente do Creci, José Augusto Viana.

Ele conta que a intenção é promover parceria com o Instituto de Astronomia da Usp ou outras entidades do setor para oferecer seções de observação abertas a alunos de escolas públicas de toda a cidade. Promover atividades voltadas ao público vizinho também está nos planos do Creci para o futuro. O prédio também terá um pequeno auditório que poderá abrigar agenda especial conjunta com a comunidade.

“Estaremos em uma sede bem localizada, em uma região que cresce e de fácil acesso para nossos associados”, completa Viana. “E será também um espaço cultural, com proposta educativa para toda a sociedade”.

Compartilhe:

1 Comentário

  1. lucimara romeiro gomes on

    Meu pai trabalhou na DFV por 30 anos,
    Saiu de lá pouco tempo antes da fábrica fechar e aposentou-se em seguida.
    Tenho fotografias, um diploma de honra que ele recebeu da diretoria por salvar a fábrica de um grande incendio, pois ele era bombeiro eletricista.
    Tenho alguns itens que foram fabricados lá, como um conjunto Poliopticon ainda na caixa, binoculo e telescopi newtoriano.
    Se houver interesse, por favor, entrem em contato.
    obrigada.
    um abraço
    Lucimara.

Comente essa matéria: