Perguntas Frequentes

Quando se fala em jornalismo regional, inicialmente todos concordam que, em umacidade do porte de São Paulo, é essencial distritalizar a comunicação. No entanto, há ainda muitas dúvidas sobre a qualidade e a forma de distribuição do produto. Por isso, aqui relacionamos algumas das principais respostas a dúvidas sobre o Jornal São Paulo Zona Sul.

1. Qual é a tiragem do jornal São Paulo Zona Sul?

A média é de 30 mil exemplares semanais, podendo chegar a 45 mil.

2. Em que dia e em que regiões é distribuído?

O jornal circula às sextas-feiras, nos distritos de Vila Mariana, Saúde, Jabaquara, Cursino e Ipiranga.

3. O que são distritos?

O jornal adota a terminologia oficial, usada também pelo IBGE no levantamento de dados e estatísticas, que é a divisão distrital da cidade. O conceito de bairro é pessoal e histórico, fazendo parte da cultura de cada região. Cada distrito abriga vários bairros. Usamos este conceito em nossas reportagens, mas para definição de estratégias de entrega nos baseamos nos limites geográficos oficiais.

4. Como é feita a distribuição?

Temos equipe própria de distribuição, formada exclusivamente por entregadores com idade superior a 18 anos, a maioria deles profissionais que também trabalham em jornais de circulação diária, revistas etc. Os exemplares são entregues em residências (casas e apartamentos), comércio e empresas, instituições e entidades, escolas etc. Há ainda uma mala direta e entrega através de motoboy para autoridades, órgãos públicos etc.

5. Por que o jornal não chega a todas as casas?

O jornal São Paulo Zona Sul tem tiragem média de 30 mil exemplares –   bastante expressiva, especialmente quando consideramos que os grandes jornais diários da capital tiram, em média, 100 mil exemplares para atingir toda a cidade. No entanto, esse número é insuficiente para cobrir todos os domicílios e empresas existentes na região em que o jornal é distribuído. Nos distritos de Vila Mariana, Saúde, Cursino e Jabaquara há cerca de 170 mil domicílios e outros 17 mil estabelecimentos comerciais – há ainda entidades, escolas etc. Dessa forma, é feita uma seleção de ruas onde são entregues os exemplares.

6. Qual o perfil do leitor?

A distribuição é gratuita e feita em todas as casas e estabelecimentos comerciais, dentro do roteiro de entrega estabelecido. Portanto, é difícil delinear o “perfil”  do leitor.  É possível, entretanto, fazer uma avaliação, a partir das características da área onde é distribuído o jornal. Trata-se de região com declínio da densidade demográfica, onde famílias menores e de maior poder aquisitivo estão se concentrando. A Vila Mariana também é marcada pela existência de muitas pessoas com mais de 60 anos – é o segundo distrito na cidade em número de idosos, perdendo apenas para Pinheiros. A região é marcada, principalmente,  pela existência de estabelecimentos de comércios e serviços. Em especial na região de Vila Mariana e Saúde,  empreendimentos imobiliários voltados ao público de médio e alto poder aquisitivo são cada vez mais comuns. Também na área de distribuição há dois bairros de uso exclusivamente residencial, onde predominam casas da alto padrão: Planalto Paulista e Jardim da Saúde.

7. O São Paulo Zona Sul edita só um jornal?

Sim, mas preste atenção: a maior parte das editoras que alegam editar mais de um título, na verdade, editam jornais idênticos com mudanças apenas na capa e, eventualmente, em uma página interna do veículo. Trata-se de um mote para vender ao cliente a ideia de que “está pagando um único valor para ter seu anúncio publicado em dois ou mais jornais”. Essencial é saber qual a tiragem total dos produtos em que se vai anunciar, além, é claro, da forma de distribuição, conteúdo, apresentação…

8. Há comprovante de tiragem?

Outro argumento utilizado por muitos jornais é o da comprovação de tiragem, feita muitas vezes através de uma carta da  gráfica onde o veículo é impresso, com assinatura autenticada do diretor desta gráfica. Veja bem, a autenticidade é apenas da assinatura: ninguém pode comprovar a tiragem efetiva daquele veículo. Mesmo porque, este tipo de atestado em geral é feito para uma edição, isoladamente. O IVC – Instituto de Verificação de Circulação – não atesta tiragem de veículos de distribuição gratuita. A melhor comprovação de tiragem que se pode fazer é circular pela região onde o jornal alega que faz sua distribuição e conferir se a entrega foi realmente feita. E mais: assim você poderá ver também COMO é feita esta entrega… Para grandes clientes, o jornal São Paulo Zona Sul apresenta sua nota fiscal de gráfica, comprovando a tiragem do veículo. Mas, como este é um documento de caráter sigiloso, só é apresentado mediante autorização da direção da empresa, que analisa cada pedido.

9. O anúncio no jornal São Paulo Zona Sul é mais caro que em outros veículos?

Não. Ao comparar preços, faça primeiro a conta do preço por mil, ou seja, divida o custo apresentado do anúncio pelo número de exemplares oferecido pelo veículo. Por exemplo: se o anúncio custa R$ 100 em um jornal de 15 mil exemplares, o cliente está pagando cerca de R$ 6,7 por cada mil exemplares. Se o mesmo anúncio custa R$ 150 em um jornal de 30 mil exemplares, o cliente está pagando R$ 5,0 por cada mil exemplares. Além disso, verifique o tamanho do anúncio oferecido, especialmente no setor de classificados e avalie também se, depois de publicado, você terá de comprar o jornal em que anunciou…

10. Que critérios devo adotar ao selecionar um jornal para anunciar?

É claro que a escolha de um veículo é muito subjetiva: vai depender do ponto de vista de cada empresa: o jornal São Paulo Zona Sul nunca usa termos como “o melhor jornal”. Mas, sugerimos que responda a algumas questões, antes de fazer sua opção:

– Estarei “financiando a baixaria” ou aliando a imagem de minha empresa a um veículo sem credibilidade, vulgar ou de má apresentação? Assim, uma escola deverá notar a riqueza de conceituação dos textos e matérias apresentados, os erros de português cometidos… Há jornais, por exemplo, que fazem apenas coberturas de eventos – que é a forma mais fácil de preencher páginas com textos, sem buscar assuntos diferentes, sem despertar temas que levem ao debate e à melhoria da qualidade de vida da região em que circulam. 

– Estarei anunciando em um jornal atrelado a algum grupo de interesse (políticos, partidos etc.)?

– A empresa que edita o jornal é sólida? O nome dos proprietários consta no expediente? Se possível, consulte a situação e o CNPJ das empresas…

– O jornal exerce sua responsabilidade social? Os proprietários têm preocupações com o estímulo à prática de cidadania? O São Paulo Zona Sul, por exemplo, desenvolve campanhas educativas relacionadas ao trânsito, ao destino final do lixo, à preservação ambiental, ao resgate e preservação da memória da região onde circula etc. Além disso, não contratamos mão-de-obra infantil – há veículos que exploram crianças e adolescentes para distribuição do jornal…