A promessa era entregar a conexão entre o sistema metroviário da capital e o Aeroporto de Congonhas antes da Copa de 2014. Mas, estamos às vésperas da Copa de 2018 e a primeira etapa da Linha 17 – Ouro ainda estão bem longe do final. A promessa é para 2019, mas…

Em outros países, é comum os passageiros de avião coseguirem acessar diretamente as estações de metrô e trens. Aqui, apesar de estarmos falando de um Aeroporto encravado na metrópole, não há nenhuma estação de metrô sequer próxima a Congonhas. A recém inaugurada estação Eucaliptos, da Linha T – Lilás, é a mais próxima mas está a cerca de três quilômetros do Aeroporto e ainda funciona em caráter experimental.

No final de fevereiro, o próprio governador Geraldo Alckmin participou de uma visita técnica às obras, justamente na estação que permitirá aos passageiros integração direta com o metrô.

A parada que leva o nome do aeroporto fica em elevado, como toda a linha, em sistema monotrilho. Mas, haverá uma ligação direta da parada com o saguão de Congonhas.

Um túnel está sendo construído sob a Avenida Washington Luís e poderá ser usado não só por passageiros pagantes, mas também por pedestres.

A expectativa é de que a nova estação venha a receber 18 mil pessoas por dia.

“A estação Aeroporto de Congonhas está bem adiantada, quase na fase de acabamento, e nós percorremos o túnel, que vai ligar a estação ao aeroporto”, disse Alckmin, durante a visita. Temos 1.070 trabalhadores hoje na obra, oito estações do Monotrilho, depois vamos até a marginal do rio Pinheiros, que integra com o trem, com a linha 9 da CPTM, e a linha 17 integra com a linha 5 na estação Campo Belo.”.

Planejada para ter acessibilidade completa e ventilação e iluminação natural em todos os espaços públicos, a estação terá piso tátil, quatro elevadores, 13 escadas rolantes, sete escadas fixas e seis bloqueios. Além disso, contará também com um bicicletário no acesso principal.

A estação Congonhas faz parte do trecho prioritário da Linha 17-Ouro, que terá 7,7 km de extensão e oito estações, além de conexão com a Linha 5-Lilás, na estação Campo Belo. Atualmente, cerca de 1.200 pessoas trabalham nas obras de implantação da Linha e no pátio de manutenção de trem.

De acordo com o Governo do Estado, a expectativa é concluir o trecho no segundo semestre de 2019, com previsão de atender 185 mil usuários por dia.

Não há previsão sequer de início das obras do trecho entre Jabaquara e Congonhas, que incluiriam estações Hospital Saboia; Cidade Leonor;  Vila Babilônia e Vila Paulista. De acordo com o metrô, essas estações só serão planejadas e construídas após as obras de ligação da Avenida Roberto Marinho à Rodovia dos Imigrantes, pela Prefeitura.

Compartilhe:

Comente essa matéria: