Em tempos de crise, quando faltam oportunidades de emprego, muita gente opta pela informalidade, pelo trabalho eventual. Mas, por que não investir essa energia na implantação de um novo negócio, transformar o “bico” em empreendimento?

Além do receio da burocracia, muitos paulistanos desconhecem os caminhos. “O tempo médio para abrir uma empresa na cidade de São Paulo era de 120 dias. Agora, o procedimento completo dura sete dias!”, garante o vice-prefeito e secretário das Administrações Regionais, Bruno Covas, citando o programa Empreenda Fácil recentemente implantado pela Prefeitura. “Embora não envolva diretamente a Secretaria das Prefeituras Regionais, o programa vai ser desenvolvido de forma descentralizada, em cada uma das Prefeituras Regionais. Ele relata que 80% das empresas abertas na capital são empresas de negócios de baixo risco e que são atendidos na primeira fase do programa.

Outras informações sobre o Empreenda Fácil podem ser obtidas diretamente no site do programa.

Covas recebeu o jornal São Paulo Zona Sul, ao lado dos prefeitos regionais de Vila Mariana, Benê Mascarenhas, e do Jabaquara, Fátima Marques. A conversa de mais de uma hora será desmembrada em uma série de matérias ao longo das próximas semanas, com foco em empreendedorismo, descentralização administrativa da cidade, coleta seletiva, reciclagem e limpeza urbana.

Ele cita projetos que interligam diferentes secretarias e, paralelamente, são desenvolvidos em âmbito local. A ideia, portanto, é estimular ações conforme a vocação de cada bairro, seguindo premissas adotadas pela gestão Doria como um todo. Um projeto piloto está sendo elaborado e será implantado na Lapa e deve ser replicado em toda a cidade, com atuação da SP Negócios, que é a autarquia municipal responsável por parcerias com a iniciativa privada.

“No Jabaquara, decidimos pelo incentivo a cursos de geração de renda com foco em cozinha industrial, porque percebemos que pode impulsionar negócios com baixo custo e fácil aceitação”, exemplifica a Prefeita Regional do Jabaquara, referindo-se a um projeto desenvolvido em conjunto com a Secretaria de Abastecimento do Estado.  “E no Projeto Profissão Cidadão, recém lançado pelo prefeito, também haverá um curso de Panificação, a partir de agosto, com apoio do Instituto Paula Souza, no CEU Caminho do Mar”, conta Fátima.

Em parceria com o Sebrae, a Prefeitura Regional expande a ideia e facilita a estes jovens empreendedores que abram seus próprios negócios. Além de integrar mutirões da Prefeitura Regional do Jabaquara, o Sebrae está com uma van montada em frente à sede, na Avenida Engenheiro Armando de Arruda PereiraJá na Vila Mariana, o CAT chegou a ser implantado mas foi desativado antes mesmo da gestão Doria, talvez por baixa procura. “Temos que avaliar prioridades, e na Vila Mariana outras parcerias podem e estão sendo firmadas”, avalia Benê Mascarenhas. Ele cita os restaurantes e faculdades do bairro como pontos fortes para definir a vocação do bairro e que indicará caminhos para parcerias e geração de novos negócios.

A ideia, garante Bruno, é definir a planos de desenvolvimento local que, novamente, inclui a movimentação da economia local. Serão estimuladas parcerias não só com a iniciativa privada, mas também com instituições como Sesc, Senai, CAMPs, para oferecer cursos e profissionalização.

Compartilhe:

Comente essa matéria: