Jornal São Paulo Zona Sul

Novas estações facilitam acesso a hospitais e parques

A ligação da região de Santo Amaro com a malha metroviária é uma demanda muito antiga dos paulistanos. A construção do trecho teve início há exatos 20 anos e, em 2002, foi inaugurado o primeiro trecho entre Capão Redondo e Largo 13 – embora totalmente desvinculado de toda a malha.

Atualmente, a linha se conecta indiretamente à malha, sendo necessário usar trens da CPTM, por meio da linha 9 – Esmeralda, para chegar ao metrô.

As três estações inauguradas nessa sexta, 29 – Hospital São Paulo, Santa Cruz (com conexão à linha 1 – Azul) e Chácara Klabin (com conexão à linha 2 – Verde) – ainda não representam conclusão das obras, já que a estação Campo Belo tem previsão de abrir as portas apenas nesse final de ano… se não houver novos atrasos.

Além disso, vale destacar que essas três novas paradas ainda estão em operação reduzida, ou seja, há cobrança de passagens mas o horário de funcionamento se restringe entre 10h e 15h.

Mas é inegável que o novo trecho revoluciona o transporte público na cidade. Há muitos especialistas prevendo que vai desafogar a linha Amarela, enquanto outros supõem um eventual sobrecarga para as linhas Verde e Amarela.

Novos acessos

Para quem mora na região da Saúde, Vila Mariana e Jabaquara, bairros vizinhos à linha azul, o novo trecho represente fácil acesso ao comércio e cenário gastronômico de Moema e Campo Belo, à igreja e à Feira de Artesanato no Largo Nossa Senhora Aparecida, a diversos parques e a muitos hospitais e equipamentos de saúde.

A linha, aliás, já está ficando conhecida como a “linha da saúde” por possibilitar acesso a vários complexos hospitalares de renome, como a Santa Casa de Misericórdia de Santo Amaro, Hospital Alvorada, Hospital do Servidor Público Estadual, Hospital Edmundo Vasconcelos, Hospital do Rim e Hipertensão, Hospital São Paulo e todo complexo Unifesp, Maternidade do Amparo Maternal, Hospital Santa Cruz, Hospital Sepaco e centros especializados para tratamentos, como AACD, APAE e Lar e Escola São Francisco.

Parques

Outro destaque da linha Lilás é que facilita o acesso a vários parques e áreas verdes.

Parque Santo Dias – Estação Capão Redondo: Travessa Jasmim da Beirada, 71 (Portão I) – Capão Redondo: Rua Arroio das Caneleiras, s/n (Portão II) – Capão Redondo. Funcionamento: todos os dias, das 6h às 18h – Inaugurado em 1992, é área remanescente da Mata Atlântica na Zona Sul de São Paulo. Seus usuários podem usufruir de várias opções para lazer e práticas esportivas, como playground, quadras, quiosque de ginástica, aparelhos de ginástica, pista de corrida e trilhas. Também há viveiros de plantas e trilhas ecológicas.

Parque das Bicicletas – Estação Moema. Alameda Iraé, 35 – Moema. Funcionamento: todos os dias, das 10h às 18h. Em uma área de 20 mil m2, a população pode andar de bicicleta, patins, skate, patinete, caminhar e utilizar uma academia ao ar livre. Inaugurado em 2000, também estão na área do parque a Secretaria Municipal de Esportes, Lazer e Recreação (SEME), o Centro Olímpico de Treinamento e Pesquisa (COTP) e o Clube Escola Ibirapuera.

Parque do Ibirapuera – Estação AACD-Servidor – Av. Pedro Álvares Cabral, s/n (Portões 2, 3 e 10)- Av. Quarto Centenário (Portões 6 e 7A) – Av. República do Líbano (Portão 7). Funcionamento: todos os dias, das 5h à meia-noite. O mais importante parque urbano de São Paulo tem 1,6 milhão de m2 e conta com 13 quadras, pistas de corrida, passeio e área para shows. Além da área verde, abriga equipamentos culturais e históricos como o Auditório do Ibirapuera, o prédio da Bienal, o Obelisco e o Monumento às Bandeiras.    Linha 5-Lilás leva a hospitais e unidades básicas de saúde.

As estações da Linha 5-Lilás tem operação e manutenção realizadas pela concessionária ViaMobilidade. Até agora, a estimativa era de que a linha transportava cerca de 350 mil pessoas em suas 12 estações diariamente. O número deve saltar para 855 mil com o funcionamento completo do trecho.

Comentar

Teste

WhatsApp chat Receba as edições por WhatsApp!