Jornal São Paulo Zona Sul

Movimento em Congonhas deve saltar para 25 milhões de passageiros por ano

O jornal Folha de S.Paulo publicou essa semana reportagem indicando que o Governo Federal pretende voltar a ampliar o número de vôos e movimentação de passageiros no Aeroporto de Congonhas. De acordo com a apuração feita pelo jornal e confirmada pelo secretário nacional de Aviação Civil, Dario Rais Lopes, o número de voos pousando ou decolando deve aumentar de 34 para 39 a cada hora.

O jornal diz ainda ue a medida “atenderia a pressões de companhias aéreas, ajudaria a estatal Infraero a contornar dificuldades financeiras e responderia a um crescimento na movimentação de passageiros no futuro”.

O número de pousos e decolagens por hora era ainda maior até 2007, chegando a 48. Naquele ano, entretanto, ocorreu a maior tragédia da história da aviação brasileira, quando um Airbus da Tam (atual Latam) atravessou a pista da Avenida Washington Luiz e se colidiu com um prédio, provocando a morte de 199 pessoas.

Várias discussões se sucederam sobre a segurança do Aeroporto, incrustrado no meio da maior metrópole do país, e houve determinação para redução do número de pousos e decolagens por hora.

Entretanto, naquela época, o número total de passageiros que passava por Congonhas anualmente era estimado em menos de 14 milhões de pessoas, o que o tornava o mais movimentado do país em número de pessoas. Já no ano seguinte ao acidente, esse número voltou a subir e atingiu 18 milhões.

Atualmente, já são 20 milhões de passageiros por ano e, com a proposta do aumento do número de voos pousando e decolando a expectativa é de que esse total passe para 25 milhões de pessoas.

Entorno

O acidente de 2007 foi o de maior proporção no país, mas a preocupação com a segurança dos passageiros e dos moradores de bairros vizinhos é antiga – sem falar em transtornos como o barulho e a poluição causados pelo aeroporto, além do trânsito congestionado.

Em outubro de 1996, a queda de um Fokker 100, também da empresa TAM, caiu na região do Jabaquara pouco após decolar, matando seus 96 ocupantes além de três pessoas em solo.

O avião havia passado muito próximo de uma escola lotada de crianças e caiu sobre a rua. As asas e o combustível, entretanto, atingiram várias casas.

Na época, já houve debates sobre a necessidade de ampliar as pistas o reduzir a movimentação de Congonhas.

A tragédia de 2007 resgatou esse debate. O prefeito da época, Gilberto Kassab, chegou a anunciar um projeto que desapropriaria amplos trechos de bairros ao redor da cabeceira, como Jardim Aeoporto e Parque Jabaquara, e que custaria 400 milhões para ficar pronto em dois anos.

A ideia – assim como o debate sobre a segurança – se perderam em pouco tempo.

Outras obras

De lá para cá, Congonhas vem passando por várias reformas, mas a maioria delas de caráter comercial. O Aeroporto deve ser concedido à iniciativa privada.

Em outubro apssado a Infraero publicou o edital de concessão de um edifício-garagem do Aeroporto.

A licitação prevê exploração comercial com o prazo de 20 anos a partir de fevereiro de 2019 e além da exploração da atividade de estacionamento, a empresa vencedora da licitação ainda poderá desenvolver atividades complementares, como serviço de valet park, serviço VIP, lavagens de veículo a seco, criação de estacionamento de longa permanência, além de diversos serviços automotivos.

A empresa vencedora também terá o direito de explorar comercialmente o espaço da Praça Comandante Linneu Gomes, em frente ao aeroporto.

Os antigos angares da VASP também devem ser concedidos para transformados em uma mega loja, shopping ou hipermercado.

Comentar

WhatsApp chat Receba as edições por WhatsApp!