Jornal São Paulo Zona Sul

Febre amarela chegou à Zona Sul

Não há casos humanos de febre amarela, urbana ou silvestre, adquiridos no município de São Paulo, confirmados até agora. Ainda assim, as Secretarias de Estado e Municipais estão empenhadas em vacinar 2,6 milhões de pessoas para evitar  que a doença se espalhe.

Além de mosquitos terem infectado macacos em parques na zona norte da cidade, outros animais doentes foram encontrados em parques de municípios vizinhos ao extremo sul paulistano.  Por isso, a Prefeitura resolveu fechar parques municipais e oferecer vacinas à população vizinha a eles.

A Secretaria do Verde e Meio Ambiente informou que os parques foram fechados por medida de precaução e não há previsão de reabertura. A metodologia utilizada se baseou nos distritos próximos a Itapecerica da Serra, como o Jardim Angela, Parelheiros, Capão Redondo, Jardim São Luis e Cotia, além das áreas de cobertura de vacinação.

A pasta recomenda também que não se utilize as dependências do Parque Linear Parelheiros, Feitiço da Vila, Sapé e do Juliana de Carvalho Torres (COHAB Raposo Tavares). Como os parques lineares não possuem delimitação física, motivo pelo qual é feita a recomendação de não visitação.

Parque do Estado

Já o Parque do Estado, onde estão equipamentos como o Jardim Botânico, Parque Cientec e o Zoológico, permanece com as áreas abertas ao público e sem registros de infeção pelos mosquitos em nenhum animal.

Em nota oficial, o Zoo informou que “não há motivo para alarde. O Zoológico e o Zoo Safári permanecem com o funcionamento normal de suas atividades e que, atenta à situação, a FPZSP intensificou o monitoramento que já realiza com espécies silvestres no PEFI, especialmente dos grupos de macacos-bugio, coordenando as ações que contam com a parceria de outras instituições localizadas no Parque (Instituto de Botânica e Parque Cientec).

Vacinação

O município de São Paulo adotará, entre 3  e 24 de fevereiro, a vacinação fracionada contra a febre amarela em 15 distritos das zonas Leste e Sul. A medida segue recomendação do Ministério da Saúde e tem como meta vacinar 2,6 milhões de moradores destas regiões.

Na Zona Sul, farão parte da ação preventiva as pessoas de Capão Redondo, Cidade Dutra, Grajaú, Jardim São Luis, Pedreira, Socorro e Vila Andrade.

“Estas áreas foram determinadas levando em consideração os corredores ecológicos e o risco de exposição à doença. É importante esclarecer que não houve epizootia confirmada nestas regiões e que, portanto, se trata de uma medida cautelar”, explica Wilson Pollara, secretário municipal da Saúde.

O fracionamento da dose, segundo a Prefeitura, segue os padrões da Organização Mundial da Saúde (OMS). Com a medida, uma dose padrão poderá vacinar até cinco pessoas. Estudos laboratoriais atestam a eficácia da vacina por, no mínimo, oito anos.

Comentar

Teste

WhatsApp chat Receba as edições por WhatsApp!