As Prefeituras Regionais de Vila Mariana e Jabaquara, assim como as demais da cidade, confirmaram na tarde dessa sexta-feira, 25, que o serviço de cata-bagulho está suspenso na capital. A Prefeitura anunciou hoje que vários serviços administrativos e não essenciais serão suspensos para evitar gastos de combustível na cidade, enquanto durar a greve dos caminhoneiros e consequente desabastecimento.

No Jabaquara, o Cata-Bagulho aconteceria na Vila Santa Catarina, Jardim Jabaquara, Jardim Oriental e Vila Babilônia. Para conferir o calendário Cata Bagulho no Jabaquara, acesse: Cata-Bagulho Jabaquara

Na Vila Mariana, seria a região da Chácara Inglesa, no hexágono formado pelas ruas: Av. Jabaquara, Rua Luis Góis, Av. Prof. Abraão de Morais, Rua Catoulo da Paixão Cearense, Rua Carneiro da Cunha, Rua Pereira Estefano. O setor só volta a ser atendido em agosto. Para conferir o calendário Cata Bagulho na Vila Mariana, acesse: Cata-Bagulho Vila Mariana.

Também foi cancelada a realização de eleições para o Conselho Municipal de Habitação, que estava agendada para o domingo, 27.

Ainda na região do Jabaquara, foi cancelada a realização do evento Praça Viva, que deveria acontecer no domingo, 27, na Praça Hachiro Miyasaki. Nova data ainda não foi marcada e será oportunamente informada.

Foi mantido o projeto Integra Jabaquara, que prevê abertura da Prefeitura Regional nesse sábado, 26, com concentração de oferta de serviços à população

Estado de Emergência

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, decidiu decretar estado de emergência nesta sexta-feira.

Dentre as medidas a serem adotadas estão a suspensão de serviços administrativos não essenciais com vistas à economia de combustível.

A medida permite que a prefeitura faça compras sem licitação, requisite ou apreenda bens privados, como por exemplo o combustível que esteja estocado em um posto. Também permite realizar gastos sem depender de empenho orçamentário.

O prefeito determinou também a criação de um comitê de crise que vai avaliar e tomar as medidas necessárias. Caso continue a situação de desabastecimento provocado pelas manifestações, pode haver decretação de feriado municipal. O estado de emergência pode evoluir para estado de calamidade pública.

O comitê será presidido pelo prefeito e será composto pelos secretários de Justiça, Governo, Comunicação, Fazenda, Segurança Urbana, Procurador Geral do Município.

A Prefeitura, com o auxílio da Polícia Militar, continua empenhada em fazer valer a liminar obtida na quinta-feira, que obriga os grevistas a suspender atos que impeçam o abastecimento de combustível para os serviços essenciais.

Compartilhe:

Comente essa matéria:

WhatsApp chat Receba as edições por WhatsApp!