São três décadas em que o Córrego do Ipiranga – aquele que é citado até no Hino Nacional – está em obras. E nenhuma delas teve caráter definitivou ou resolveu as eternas enchentes que deixam o corredor formado pelas avenidas Ricardo Jafet e Abraão de Moraes intransitável.

Um novo debate foi marcado para discutir a situação do córrego e as obras previstas para o local. Vai acontecer na Distrital Ipiranga da Associação Comercial de São Paulo (Rua Benjamim Jafet, 95), nesta quinta, 13, às 19h. Promovido pelo vereador Aurélio Nomura (PSDB), o debate deve contar ainda com a presença do secretário de Serviços e Obras, Marcos Penido, e do Prefeito Regional do Ipiranga, Amândio Martins.

Promessa de piscinão

Em março de 2015, a Prefeitura anunciou que a Secretaria de Infraestrutura Urbana (SIurb) havia assinado o contrato para a execução de um novo projeto para resolver a situação das enchentes no Córrego Ipiranga. Com verbas do PAC 2 (Plano de Aceleração do Crescimento) do Governo Federal, o projeto estava inserido em um projeto de drenagem urbana da gestão passada. Na época, a Prefeitura ainda alegou que a Ordem de Início das Obras teria sido dada em abril e que em 24 meses o projeto estaria concluído.

Alguns materiais chegaram a ser posicionados nos canteiros da região, mas, a verdade é que o dinheiro não veio e a obra não aconteceu. O projeto prevê a construção de dois piscinões com canal de interligação entre eles, além da readequação do córrego Ipiranga até a avenida Bosque da Saúde.

O primeiro piscinão é a própria lagoa Aliperti, junto a Rodovia dos Imigrantes. A lagoa possui contribuição do córrego riacho do Ipiranga, de um afluente e de uma galeria da avenida Água Funda. A lagoa será desassoreada e terá sua área original restituída, assim as vazões neste ponto da bacia serão reduzidas. A estrutura da Rodovia dos Imigrantes não será afetada com o desassoreamento.

O 2º piscinão seria construído nas áreas internas de duas alças do viaduto Aliomar Baleeiro, composto por dois compartimentos com aproximadamente 13 metros de profundidade e capacidade total de 200 mil m³ de reservação/armazenamento.

Para preservar o sistema viário da avenida Ricardo Jafet, haveria ainda a adequação na seção trapezoidal existente por uma seção retangular e a correção da declividade de fundo do canal.

Veja mais detalhes do projeto aqui

Compartilhe:

Comente essa matéria: