É possível aliar cidadania e conteúdo tradicional das disciplinas escolares? Os alunos de uma escola na Cidade Vargas, no Jabaquara, mostraram que não só é viável como tem que fazer parte do processo educacional.

Trocar experiências com mães de crianças com câncer que saem de suas cidades para enfrentar o tratamento em São Paulo, conhecer e passar horas semanais com idosos que vivem em um abrigo, conversar e oferecer um pouco de sopa e conforto com famílias inteiras que estão vivendo nas ruas paulistanas, sob o frio e a chuva… Estas foram apenas algumas das experiências vividas pelos alunos da Escola Nossa Senhora das Graças, na Cidade Vargas, Jabaquara, ao longo dos últimos meses.

O resultado desse trabalho que alia conteúdo multidisciplinar com vivência cotidiana foi exposto no último sábado, durante a Feira Cultural da Escola. Todos os projetos desenvolvidos pelos alunos foram inspirados no mote “Humanidade e Cidadania”, que foi o tema escolhido pela escola para ser trabalhado pedagogicamente em 2017. “Durante o ano, os alunos têm a oportunidade de aprender mais sobre o que nos torna verdadeiros cidadãos do mundo”, explica Márcia Tavares Nieman, assistente de direção da ENSG.

“Sempre procuramos não apenas criar este vínculo com a realidade, como também transformar a Feira Cultural em uma oportunidade para troca de experiências”, completa Eliane Nieman Melo, diretora pedagógica da ENSG. “Os alunos de uma turma podem conferir o trabalho que os demais, de todas as faixas etárias, desenvolveram e o resultado é muito enriquecedor. Os pais e familiares também ficam impressionados”, conta.

Os projetos de cada turma – desde Educação Infantil até o Ensino Médio – ficaram expostos durante o dia todo pelo Colégio. As turmas de Ensino Fundamental II e Médio, com estudantes maiores, apresentam de forma bem realista tudo que aprenderam, em salas ou espaços delimitados que foram especialmente montados e decorados para ambientar os visitantes. Os pais e alunos de outras turmas fazem filas para conferir cada um dos projetos.

Um exemplo que atraiu filas constantes foi a exposição do trabalho desenvolvido por um grupo de estudantes do Terceiro Ano do Ensino Médio. Em uma apresentação teatral, os visitantes eram convidados a circular por diversos ambientes que simulavam as dificuldades enfrentadas por famílias carentes quando precisam de ajuda governamental. Depois de frustrada com a burocracia e demora no atendimento público, uma família demonstrava a situação insalubre da habitação modesta onde vivia e os convidados podiam perceber que a ajuda veio de uma ONG. A intenção final, de estimular o público a ver que ações simples podem gerar resultados que fazem diferença no cotidiano.

Banda

Outro ponto alto da Feora Cultural da ENSG foi o resgate da Banda Marcial da Escola. Prestes a comemorar 60 anos, a ENSG já conquistou diversos prêmios com a banda , no passado. Mais do que isso, o bairro inteiro efetivamente saía de suas casas, no passado, “para ver a banda passar”. Esses momentos foram resgatados durante o eventoFeir, com a reedição da banda com alunos do 5o. Ano. Sob o comando da professora Sibele e de instrumentos nas mãos, eles apresentaram quatro diferentes números musicais, e encantaram as famílias.

A mais emocionada, nitidamente, era a diretora fundadora da Escola, professora Lucy Nieman.

Ex-alunos, que hoje são pais de jovens estudantes e estavam no local, foram chamados a participar relatando seu histórico na banda.

A ENSG fica na Praça Barão de Angra, 91 – Cidade Vargas. Telefone: 5588-4488. Para mais informações, visita o site da escola.

Veja mais imagens da Feira Cultural  – Fotos de Thais Uehara

E confira o vídeo que mostra como foi a montagem de toda esta estrutura, nos dias que antecedem à Feira;

Compartilhe:

Comente essa matéria: