Jornal São Paulo Zona Sul

Abaixo assinado virtual reúne 1300 pessoas contra remoção de feiras livres para obra

Uma petição online que já conta com quase 1.300 assinaturas demonstra a preocupação de moradores e feirantes que trabalham na área existente no entroncamento da Avenida José Maria Whitaker com Alameda dos Guatás, na divisa do Planalto Paulista com Mirandópolis. Ali, são promovidas três feiras livres semanais além de uma feira orgânica noturna inicialmente implantada em caráter experimental.

Acontece que os feirantes relatam ter sido avisados de que todas elas serão suspensas, por tempo indeterminado, para a realização de uma obra de acessibilidade e urbanismo no terreno, pela Subprefeitura de Vila Mariana. A interrupção da feira e início das obras deve acontecer antes do final desse ano, em dezembro.

A liberação de recursos para implantação do projeto de revitalização foi autorizada em setembro, no total de R$ 250 mil, valor que deve ser empenhado ainda em 2018.

O abaixo-assinado virtual, entretanto, foi feito para pedir o embargo da obra. Diz o documento:

“A Prefeitura Regional da Vila Mariana quer tirar as feiras do pátio da Av José Maria Whitaker, para realizar uma obra de revitalização (plantio de arvores e instalação de bancos) no valor de R$ 250.000,00 (Duzentos e cinquenta mil reais). Porém se recusa a dialogar com feirantes, moradores, sobre o projeto e melhorias a serem feitas. Falta diálogo, transparência, atenção para com os interessados!”

Quem quiser assinar ou consultar, deve acessar https://secure.avaaz.org/po/petition/Prefeitura_Regional_da_Vila_Mariana_Embargo_da_obra_no_patio_da_Jose_Maria_Whitaker/?zSMWEnb.

Os feirantes e vizinhos também têm procurado o jornal São Paulo Zona Sul para expressar sua preocupação com a obra. Eles acreditam – e contam que essa tem sido a informação repassada por agentes da Prefeitura – que as feiras não vão voltar após a obra como tem informado a Subprefeitura de Vila Mariana.

“Os fiscais já nos disseram que não vai haver mais feira”, garante um dos feirantes. “Serão implantados bancos, equipamentos de ginástica, árvores, o que impediria a montagem das barracas e circulação dos fregueses”, prevê. Outros moradores relatam que há rumores de que o espaço seria concedido à iniciativa privada.

Por outro lado, há informações de que a obra teria por objetivo evitar o uso irregular ou particular da área, já que atualmente o terreno chega a ser ocupado por serviços de estacionamento ou até para saída de ônibus de excursões.

Procurada, a Subprefeitura de Vila Mariana continua alegando que o plano é que as feiras retornem ao local após a revitalização.

A Subprefeitura ainda informa que o projeto de revitalização está disponível para consulta pública em sua sede (Rua José de Magalhães, 500)

E esclarece que prevê:

– Adaptação da captação de águas pluviais por meio de canaleta,

-Adaptação de passeio e rampas de acesso para entrada e saída de veículos,

– Piso articulado intertravado,

-Substituição de sarjetas e guias,

-Adequação de canteiros com grama esmeralda e instalação de orlas de separação

– Instalação de bancos de concreto pré-moldado,

– Adaptação de rampas de acesso ao passeio nas faixas de pedestres e

– Instalação de piso podotátil de alerta/direcional.

Por fim, informa que ainda não foi definida a data de início das obras, que devem durar 120 dias. Os feirantes deverão desocupar o local durante o período de reconstrução, até por segurança, uma vez que haverá máquinas trabalhando.

A Coordenadoria de Segurança Alimentar e Nutricional (Cosan), órgão da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, responsável pelas feiras livres municipais, a pedido da Subprefeitura Vila Mariana, está definido um local para remanejamento temporário da feira durante a execução das obras.

Garante ainda que, até o momento, não há nenhum pedido de mudança de local da feira após as obras e destaca que foi autorizada recentemente no mesmo local o evento da Feira Orgânica Noturna. O subprefeito Benê Mascarenhas esclarece que foi procurado pelos feirantes no ano passado solicitando melhorias no local e, agora, está em busca de alternativas para viabilizar também a instalação de banheiros na feira – outra reivindicação deles. “Em nenhum momento foi cogitada, na Subprefeitura da Vila Mariana, a remoção permanente da feira e ficamos surpresos com essas especulações todas”, diz.

No terreno da Avenida José Maria Whitaker, são realizadas feiras livres às terças, sextas e sábados. A feira orgânica noturna tem sido promovida às quartas, das 17h às 21h, de forma experimental, nos meses de novembro e dezembro.

Comentar

WhatsApp chat Receba as edições por WhatsApp!